Oposição terá maioria em novo governo do Zimbábue

As duas facções oposicionistas doZimbábue terão um ministro a mais no governo em relação aoZANU-PF, o partido do presidente Robert Mugabe, após um acordoque determina a divisão do poder, informou um senador deoposição nesta sexta-feira. O senador David Coltart, membro importante de uma pequenafacção do oposicionista MDC, disse em um e-mail que o grupoprincipal, liderado por Morgan Tsvangirai, terá 13 ministros nogabinete. O ZANU-PF terá 15, e o grupo de Coltart, três. Mas Mugabe, de 84 anos, continuará como presidente,acrescentou. A divisão se baseou nos votos recebidos por cada partido,em vez dos assentos ganhos nas eleições de 29 de março, nasquais o ZANU-PF perdeu o controle do parlamento pela primeiravez desde a independência do país, que veio em 1980. Segundo Coltart, o poder de Mugabe será bastante reduzidocom o acordo. Tsvangirai, que ficará com o cargo deprimeiro-ministro, terá poder substancial, mas não absoluto.Caberá a Mugabe chefiar o gabinete, enquanto Tsvangiraichefiará o conselho de ministros e supervisionará oParlamento. As informações passadas no e-mail foram confirmadas pelaReuters também por telefone. Coltart disse ainda que o novo governo iniciará uma reformaconstitucional que durará 18 meses. Ao fim deste processo, anova constituição democrática estabelecerá a data das novaseleições. Mesmo assim, a União Européia ainda considera aplicar maissanções contra o partido de Mugabe, informou a Presidência dobloco, agora com a França. "Precisamos estudar o acordo e abordar os compromissos dospartidos", disse uma autoridade da Presidência em um informe àimprensa. O acordo de divisão do poder vem depois de dois meses denegociações que se seguiram à crise pós-eleições. O Zimbábuetambém vive um período conturbado na economia, com o maioríndice de hiperinflação do mundo. REUTERS MR PF

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.