Oposição vai à Justiça contra Lei de Mídia argentina

Os principais partidos de oposição na Argentina anunciaram ontem que nos próximos meses irão à Justiça para pedir a anulação de diversos artigos da polêmica Lei de Mídia, aprovada em outubro no Parlamento. A Lei de Mídia - que estipula duras restrições à atuação das empresas de comunicação da área de rádio, TV aberta e TV a cabo - é considerada por empresas do setor de mídia e pela oposição como uma ferramenta da presidente Cristina Kirchner e seu marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, para limitar a liberdade de imprensa e favorecer grupos de mídia aliados do governo.

AE, Agencia Estado

18 de dezembro de 2009 | 08h25

O Grupo Clarín, a maior holding multimídia da Argentina, é o principal alvo do casal Kirchner, que está em pé de guerra com o grupo desde o início do ano passado. O Grupo Clarín se tornou o principal denunciante dos casos de corrupção do governo Kirchner.

A ofensiva jurídica contra a Lei de Mídia começou na quarta-feira, quando o juiz federal Edmundo Carbone, a pedido do Grupo Clarín, determinou que os artigos 41 e 161 da Lei de Mídia eram "inconstitucionais". Um dos artigos atingia os direitos adquiridos pelos donos das licenças de meios de comunicação. O outro artigo complicava a venda das licenças.

O ministro da Justiça argentino, Julio Alak, considerou que a declaração de inconstitucionalidade dos artigos é "surpreendente". Alak afirmou que "com certeza será revogada por uma instância judicial superior". O ministro relativizou o revés para o governo e ressaltou que a medida do juiz Carbone é apenas "provisória".

A Lei de Mídia determinava que uma empresa de mídia que tivesse um canal de TV aberta e outro de TV a cabo - ou mais canais - poderia ficar com apenas um e teria de vender os outros. O artigo 161 - um dos mais polêmicos - estabelecia que a empresa deveria vender os canais dentro de um ano. O outro artigo suspenso é o 41, que determinava que uma uma licença de rádio ou TV só poderia ser vendida com a aprovação do governo, violando o direito de propriedade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.