Oposição vence eleições legislativas da Eslovênia

Partido Social Democrático terá agora que negociar com outras três legendas para formar governo de coalizão

Efe,

21 de setembro de 2008 | 21h21

Os opositores do Partido Social Democrático da Eslovênia (SD), liderados pelo eurodeputado Borut Pahor, venceram neste domingo, 21, as eleições legislativas do país, com 30,5% dos votos. Com a apuração praticamente encerrada (99,73%), o governista Partido Democrático Esloveno (SDS), ao qual pertence o primeiro-ministro Janez Jansa, recebeu o apoio de 29,33% dos eleitores. Pahor, que foi cauteloso perante seus seguidores e não quis proclamar sua vitória de imediato, se limitou a dizer que, como até agora, conduzirá "uma política de consenso, moderação e cooperação, já que só a cooperação leva ao futuro". Jansa, por sua vez, também não quis reconhecer sua derrota, e lembrou que, devido à apertada diferença e aos votos por correio (que ainda serão apurados e que correspondem a 2% do total), o resultado final ainda não é certo. "Achamos que o SD e o SDS ainda podem se igualar, se não pelo número de votos, pelo número de deputados", disse o primeiro-ministro. Cerca de 1,7 milhão de cidadãos com direito a voto foram convocados neste domingo para escolher os 90 deputados do Parlamento desta pequena república, que fez parte da antiga Iugoslávia. A participação no pleito deste domingo foi de 62 %, um pouco maior que há quatro anos. O SD, provável ganhador do pleito, terá agora que negociar com outros três partidos para formar um governo de coalizão. Dois de seus eventuais futuros parceiros, o Partido Zares e o Partido da Democracia Liberal (LDS) conseguiram hoje um resultado melhor que o esperado: 9,4% e 5,3% dos votos, respectivamente. No entanto, junto com os dois deputados das minorias nacionais - italianos e húngaros -, esses três partidos só obteriam 45 das 90 cadeiras, número insuficiente para formar uma coalizão. Por isso, Pahor deverá atrair também o Partido dos Aposentados (DeSUS), que até agora estava no Executivo de Jansa. Karl Erjavec, líder do DeSUS, disse neste domingo que seu grupo participará de qualquer governo que prometa elevar as aposentadorias e afirmou que acredita que Pahor pode formar "um governo bom e estável." A provável derrota do SDS foi acompanhada pelo mau desempenho de seus parceiros na coalizão de Governo. A Nova Eslovênia (NSi), por exemplo, acabou ficando fora, enquanto o Partido Popular Esloveno (SLS) só entrou na Câmara devido ao pacto eleitoral com o Partido dos Jovens. Além disso, parece que o recente escândalo de corrupção envolvendo a compra de veículos blindados da companhia finlandesa Patria, no qual Jansa está supostamente envolvido, custou ao conservador um número decisivo de votos.

Tudo o que sabemos sobre:
Eslovênia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.