Oposição venceu eleições na Costa do Marfim, diz ONU

Margem da vitória é 'irrefutável'; atual presidente insiste em não deixar o cargo

Agência Estado

08 de dezembro de 2010 | 11h29

ABIDJÃ - O principal enviado da Organização das Nações Unidas (ONU) na Costa do Marfim, Choi Young-jin, disse nesta quarta-feira, 8, que o candidato da oposição Alassane Ouattara venceu a disputa presidencial por uma "margem irrefutável". A comunidade internacional aumenta a pressão sobre o atual presidente, Laurent Gbagbo, para que ele reconheça a derrota.

 

Até o momento, Gbagbo resiste a renunciar. O chanceler designado por Gbagbo, Alcide Djedje, previu que possa haver um acordo de divisão do poder. O enviado da ONU, porém, disse em Abidjã que Ouattara é o claro vencedor. No início da semana, Djedje ameaçou expulsar Choi do país, caso ele continue a falar que Ouattara era o vencedor.

 

Antes apontada como um caso de sucesso na África, a Costa do Marfim teve sua economia destruída pela guerra civil de 2002-2003. Gbagbo, que já era presidente quando ocorreu a guerra civil, não convocou eleições em 2005, o que causou um impasse político. As eleições foram remarcadas pelo menos seis vezes.

 

A comissão eleitoral anunciou inicialmente que Ouattara havia vencido a eleição. No dia seguinte, o conselho constitucional liderado por um partidário de Gbagbo disse que o atual líder foi reeleito. O conselho descartou meio milhão de votos em áreas que apoiam a oposição, dizendo que eleitores do atual presidente haviam sido intimidados. A incerteza levou centenas de pessoas a fugirem do país, temendo uma nova guerra civil. A ONU retirou temporariamente cerca de 500 funcionários da Costa do Marfim.

 

Pressão

 

Um porta-voz do governo de Ouattara, Patrick Hachi, afirmou que estava substituindo embaixadores marfinenses em importantes países. O primeiro-ministro desse governo, Guillaume Soro, disse que sua força política buscava tomar o controle do Tesouro. "Nós estamos convencidos de que até o fim desta semana nós veremos essas medidas terem um efeito real", disse em comunicado Soro, que foi líder do movimento rebelde Novas Forças, que já controlou o norte do país.

 

Não está claro, porém, qual a estratégia da oposição para o longo prazo. Observadores dizem que a oposição pode ser forçada a se aproximar de partidários de Gbagbo. Analistas dizem que Ouattara está contando com o apoio internacional para garantir o poder. Os resultados iniciais deram vitória à oposição, mas posteriormente os resultados foram alterados e foi anunciada uma vitória do atual presidente.

 

O presidente do grupo regional ECOWAS, Goodluck Jonathan, também presidente da Nigéria, disse que o bloco não está interessado em negociar um governo de unidade na Costa do Marfim. "Pela experiência que tivemos até agora no Quênia e no Zimbábue, isso nunca funcionou de fato e é por isso que não queremos isso."

 

Alguns sinais de fissuras internacionais começam a aparecer. Diplomatas disseram que a Rússia bloqueou um comunicado do Conselho de Segurança da ONU que teria apoiado Ouattara. Gbagbo continua a ocupar o palácio presidencial em Abidjã. Já o governo de Ouattara faz reuniões em um hotel do outro lado da cidade. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Costa do MarfimeleiçãoONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.