AFP PHOTO / FEDERICO PARRA
AFP PHOTO / FEDERICO PARRA

Oposição venezuelana aceita operação para validar assinaturas por revogatório

Venezuelanos que assinaram pedido de abertura do processo contra o presidente Nicolás Maduro terão entre segunda e sexta-feira da próxima semana para confirmar desejo nas sedes do CNE

O Estado de S. Paulo

17 Junho 2016 | 14h42

CARACAS - A oposição venezuelana prepara a operação para validar as assinaturas com as quais pretende ativar um referendo revogatório contra o presidente Nicolás Maduro, impedida por uma ação judicial que ameaça a iniciativa.

A coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD) intensificou na quinta-feira, 16, a campanha para informar a seus partidários sobre o processo de validação, que deverá ser cumprido entre segunda e sexta-feira da próxima semana.

"Eu revogo a corrupção. De 20 a 24 vamos todos ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE)", convida um cartaz estendido sobre uma rua no município de Chacao, reduto opositor. Alguns toldos foram colocados nessas e em outras áreas de Caracas. Lá, junto aos membros da MUD, os interessados verificam na página da web do CNE se suas rubricas foram certificadas.

O órgão eleitoral confirmou 1,3 milhão de assinaturas do total de 1,8 milhão entregues pela oposição em 2 de maio. Para ativar a consulta é requerido que cerca de 200 mil pessoas validem suas rubricas com sua digital em máquinas biométricas.

"Revogá-lo.com". No início, a MUD havia anunciado para a quinta-feira manifestações pela anulação de 605 mil assinaturas, mas os protestos não foram realizados e seus líderes preferiram convocar os meios de comunicação para explicar a mecânica de validação.

Sob o domínio "revocalo.com" ("revogá-lo.com", em tradução livre), os opositores ativaram um site na Internet onde detalham um mapa sobre os 128 pontos de validação que a CNE habilitará em todo o país.

A MUD prepara, além disso, "caravanas" para mobilizar seus partidários a partir de segunda-feira para esses locais, onde serão dispostas 300 das leitoras de impressão digital, disse o líder opositor Carlos Ocariz em coletiva de imprensa.

"Se sua assinatura não for validada, você pode ajudar-nos emprestando seu carro ou organizando seus vizinhos ou parentes para levá-los aos locais onde vamos realizar essas caravanas", assinalou Ocariz, que pedia a instalação de mais dispositivos.

Acusado pela oposição de servir ao governo, o CNE terá até 23 de julho para revisar o processo. Esta primeira etapa sendo legitimada, a oposição deverá coletar outras 4 milhões de assinaturas para que o Poder Eleitoral convoque o revogatório, enquanto que para depor Maduro são requeridas mais do que os 7,5 milhões de votos com os quais foi eleito para o período 2013-2019.

"Se mantivermos os intervalos, o referendo deverá ser feito o mais tardar na primeira semana de novembro", estimou na mesma coletiva a deputada Delsa Solórzano.

Em alerta. Para a MUD, o revogatório só tem sentido se for realizado antes de 11 de janeiro de 2017, pois se Maduro perder terá que convocar eleições. Mas se feito após essa data, o período será completado pelo vice-presidente nomeado pelo líder socialista.

Maduro, cuja gestão é rechaçada pela maioria dos venezuelanos segundo pesquisas, assegura que a consulta só será possível em 2017. Na última segunda-feira, ele apresentou um processo diante do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) por hipótese de "fraude" no recolhimento de assinaturas.

A MUD considera o TSJ como o braço jurídico do governo, e não esconde a inquietude diante de uma possível freada na consulta. "Incentivamos que o TSJ mantenha o caminho de paz. Nos preparamos para a próxima semana, mas estamos atentos a qualquer conjuntura que poderia se apresentar", advertiu Solórzano.

O líder opositor Henrique Capriles, promotor da consulta, assegurou que uma decisão adversa do TSJ "significaria jogar lenha na fogueira, aumentar a conflitividade no país".

Enquanto isso, dezenas de pessoas protestaram na quinta-feira em um bairro popular na proximidade de San Cristóbal (capital de Táchira) exigindo comida e produtos de primeira necessidade. Os manifestantes bloquearam temporariamente uma via, sem apresentar tumultos com os policiais enviados para o local.

Este protesto ocorreu após, na terça-feira, centenas de pessoas, que também exigiam o fornecimento de alimentos, saquearem dezenas de lojas em Cumaná (400 km ao leste de Caracas), no qual ocorreram 434 prisões.

O governo acusou a oposição de ter promovido as desordens, e como resultado Cumaná permanece militarizada.

A Venezuela vive uma onda de protestos pela escassez de alimentos - que segundo a consultoria Datanálisis é de 80% - alguns dos quais terminaram em roubos e deixaram ao menos quatro mortos, segundo as autoridades. / AFP

Mais conteúdo sobre:
VenezuelaNicolás Maduro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.