Oposição venezuelana compara Trump a Chavez

Secretário-executivo da Mesa da Unidade Democrática (MUD), Jesús Torrealba comparou ascensão de republicano com a de líder chavista há 17 anos

EFE, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2016 | 15h54

Caracas - A oposição venezuelana comparou a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos com a "situação vivida" na Venezuela há 17 anos, quando o chavismo chegou ao poder no país, disse nesta quarta-feira o secretário-executivo da opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), Jesús Torrealba.

O líder opositor afirmou em seu programa de rádio, "A força é a união", que o triunfo de Trump é visto pelos venezuelanos "de maneira diferente" porque, segundo ele, é uma situação parecida com a que o país atravessou quando, em 1999, Hugo Chávez chegou à presidência.

"Esta situação vivida hoje por esse grande país do norte se parece muito com uma situação vivida por nós há quase duas décadas, um país com severos questionamentos sobre o meio político toma uma decisão para castigar essa classe política, e o castigo acabou sendo sendo um bumerangue", disse.

No entanto, Torrealba disse que, em sua condição de secretário-executivo da MUD, parabeniza o povo americano por "ter feito uso, mais uma vez, dos instrumentos da democracia para decidir seu próprio destino".

Torrealba também felicitou o novo presidente americano, o republicano Donald Trump, e desejou "que tenha a melhor gestão, não só para o benefício de seus concidadãos, mas para o impacto que tem o exercício do poder em uma potência mundial", acrescentou.

O presidente da Assembleia Nacional (AN, parlamento) da Venezuela, Henry Ramos Allup, pediu nesta quarta-feira que o resultado das eleições presidenciais americanas seja respeitado.

"Me perguntam sobre o triunfo de Trump: o povo americano elegeu livremente o presidente que quis e é preciso que isso seja respeitado", expressou o parlamentar venezuelano pelo Twitter.

Ramos Allup acrescentou que a política externa das "grandes potências" costuma continuar igual frente às mudanças de governos e que estes, geralmente, só mudam em "alguns tons". 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.