EFE/MUD/
EFE/MUD/

Oposição venezuelana convoca ato para acelerar revogatório

Na semana passada, a MUD entregou 1,8 milhão de assinaturas de eleitores com o pedido de ativação do processo de votação

O Estado de S. Paulo

11 Maio 2016 | 05h00

CARACAS - A coalizão opositora venezuelana Mesa de Unidade Democrática (MUD) convocou para hoje uma manifestação para exigir que o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) acelere o processo de homologação do referendo revogatório do mandato do presidente Nicolás Maduro. A liderança da MUD pediu que seus partidários se mobilizem na frente das sedes regionais do CNE em todo o país. O órgão é acusado pela oposição de atrasar o processo a pedido do governo.

“Protestaremos de forma cívica e pacífica diante das sedes do CNE para exigir o cumprimento dos prazos do referendo revogatório”, disse ontem o secretário-executivo da MUD, Jesús “Chuo” Torrealba. 

Na semana passada, a MUD entregou 1,8 milhão de assinaturas de eleitores com o pedido de ativação do processo do referendo revogatório. O mínimo de assinaturas exigidas para o início do processo era de 200 mil. 

Na segunda-feira, data limite para a contagem das assinaturas, o CNE convocou os signatários para validar suas assinaturas com biometria e determinou mais cinco dias de contagem dos dados. 

“Os venezuelanos estão esperando que nos digam onde validar nossas assinaturas. A mobilização é para exigir respeito à Constituição e às regras”, disse o líder opositor Henrique Capriles, governador de Miranda. “Esperamos respostas sobre o revogatório.”

O prefeito do distrito caraquenho de Libertador, Jorge Rodríguez, designado por Maduro para monitorar o processo denunciou na segunda-feira uma suposta fraude nas assinaturas entregues pela oposição, que corresponderia a irregularidades em mais de 11% das atas assinadas. Além disso, o chavismo convocou para o mesmo dia uma manifestação contra uma lei habitacional aprovada pela Assembleia Nacional.

Para que o referendo seja realizado, a oposição terá de recolher num período de três dias mais 4 milhões de assinaturas, uma vez que as que já estão prontas sejam validadas. Na votação, o não a Maduro deve superar 7,5 milhões de votos. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.