Oposição volta a protestar contra Chávez

Dezenas de milhares de opositores ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, marcharam hoje pelas ruas de Caracas para pedir sua renúncia, marcando assim o 28º dia de greve que virtualmente paralisou as exportações de petróleo e reduziu o abastecimento de gasolina no país. Gritando "Eleições já" e "Fora Chávez", os opositores tomaram diversas ruas da capital. Eles insistem que não vão parar até que Chávez renuncie, ameaçam com mais ações de desobediência civil e até exortaram a população a não pagar os impostos. A greve geral levou a Venezuela - o quinto maior exportador mundial de petróleo - a reduzir sua exportação de 3 milhões de barris por dia a cerca de 200 mil barris. Apesar da chegada no sábado à Venezuela do petroleiro Amazon Explorer com 520 mil barris de gasolina enviados pelo Brasil, filas quilométricas de veículos eram vistas hoje nos poucos postos de gasolina abertos em Caracas, nas quais desesperados motoristas tinham de esperar até 48 horas para obter combustível. Chávez recebeu pessoalmente no sábado o petroleiro e agradeceu o apoio do presidente Fernado Henrique Cardoso e do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva. Apesar de o governo garantir que já há combustível suficiente, o presidente da petrolífera estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA), Alí Rodríguez, admitiu que ainda há problemas com a distribuição, mas estavam sendo resolvidos. Rodríguez disse que a PDVSA estava produzindo entre 500 mil e 600 mil barris de petróleo por dia, mas executivos da estatal desmentiram que a companhia esteja produzindo tal quantidade. Rodríguez disse que a estratégia da oposição de "usar o petróleo como arma política" fracassou. Chávez revelou hoje que quase anunciou sua renúncia, exigida pela oposição, mas só como brincadeira pelo Dia dos Inocentes (o equivalente na Venezuela ao 1º de Abril). Ele admitiu hoje em seu programa dominical Alô, Presidente, que pensou em anunciar sua "renúncia" pela rádio e TV no sábado, no Dia dos Inocentes, mas seus ministros e assessores lhe recomendaram que desistisse da idéia. "Tinha vontade de fazer uma cara de tristeza e dizer ´me cansei disso, vou embora, aqui está a renúncia´, para depois declarar ´era brincadeira´."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.