Oposicionista Sharif diz que vai boicotar eleições no Paquistão

Decisão é resposta a atentado que matou a ex-premiê e também líder da oposição Benazir Bhutto

REUTERS

27 de dezembro de 2007 | 16h48

O líder oposicionista paquistanês e ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif pediu nesta quinta-feira, 27, a renúncia do presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, e disse que seu partido vai boicotar as eleições gerais de 8 de janeiro por causa do assassinato de Benazir Bhutto.   Veja também: Paquistaneses protestam nas ruas Bush diz que assassinato foi 'ato covarde'   Brasil vê com 'preocupação' morte de Benazir Análise: Paquistão em mares desconhecidos Filha de dinastia, Benazir era figura polêmica Cronologia: A trajetória de Benazir Assista ao vídeo  Blog do Guterman: Guerra civil à vista    "O PML-N irá boicotar a eleição", afirmou Sharif em entrevista coletiva em Islamabad, se referindo a seu partido. O PML-N é o maior partido da oposição islâmica ainda na legalidade.   Líder da oposição e também ex-premiê, Benazir foi morta em um atentado na manhã desta quinta-feira. Outras 20 pessoas também foram mortas no ataque. A morte de Benazir, líder da oposição laica, causou uma situação de caos antes das eleições e provocou temores de protestos maciços e aumento da violência.   "Eleições livres não são possíveis na presença de Musharraf", acrescentou ele sobre o presidente Pervez Musharraf. "Musharraf é a raiz de todos os problemas."   Antigos rivais, Bhutto e Sharif se juntaram recentemente em oposição a Musharraf.   Bhutto liderava o maior partido do país, o Partido do Povo Paquistanês (PPP).

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOSHARIFBOICOTE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.