Oposicionistas acusam Musharraf pela morte de Benazir Bhutto

Ex-premiê líder da oposição é assassinada após comício; presidente paquistanês pede calma após atentado

Associated Press e Agência Estado,

27 de dezembro de 2007 | 12h57

Após a confirmação da morte da líder oposicionista e ex-primeira ministra paquistanesa Benazir Bhutto, vítima de um atentado perpetrado por um homem-bomba na cidade de Rawalpindi nesta quinta-feira, 27, partidários dela no hospital acusaram o governo do presidente Pervez Musharraf pelo ataque. Alguns destruíram uma porta de vidro da entrada da unidade de emergência do hospital e outros irromperam em lágrimas. O ataque ainda matou entre 16 e 20 pessoas.   Veja também: Benazir morre em atentado suicida no Paquistão Benazir, uma história de dinastia política   Mais cedo, antes do ataque a bomba, que segundo a polícia foi conduzido por um suicida, ocorreu outro ataque em Rawalpindi, contra partidários de outro ex-premiê do Paquistão, Nawaz Sharif, no qual foram mortas quatro pessoas. A oposição acusou partidários do governo de terem desfechado o ataque a tiros. Sharif nada sofreu. A oposição paquistanesa reuniu milhares de pessoas em Rawalpindi, pois o país terá eleições parlamentares em 8 de janeiro.   O ataque foi o segundo atentado contra Benazir. Em outubro, quase 150 pessoas morreram e mais de 300 ficaram feridas em Karachi na chegada da ex-premiê ao país após oito anos de exílio. Na ocasião, duas bombas explodiram perto do caminhão que a transportava. Benazir, que vivia no exílio por causa das acusações de corrupção e enriquecimento ilícito, retornou ao país após meses de negociação com Musharraf. Cotada para voltar a ser primeira-ministra, Bhutto tinha o apoio de mais de 50% dos eleitores paquistaneses.   Nascida em 1953, Benazir Bhutto era filha do ex-premiê do Paquistão Zulfikar Ali Bhutto. Ela foi a primeira mulher a governar o país de maioria islâmica no período pós-colonial. Benazir governou o Paquistão de 1988 a 1990, quando foi afastada por denúncias de corrupção, e novamente governou o país entre 1993 e 1996, quando também foi afastada após novas acusações de corrupção. Em 1998, ela partiu para o exílio em Dubai e em seguida rumou para o Reino Unido, regressando ao Paquistão em outubro deste ano.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoMusharrafBenazir Bhutto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.