Opositor alemão chama Berlusconi e Grillo de 'palhaços'

O líder do principal partido de oposição da Alemanha criticou o ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi e o comediante Beppo Grillo, classificando os dois líderes políticos italianos de "palhaços" e "populistas", cujo desempenho nas eleições gerais da Itália põe a zona do euro em risco.

AE, Agência Estado

27 de fevereiro de 2013 | 11h56

"De uma certa forma, estou estarrecido que esses dois palhaços tenham vencido", disse Peer Steinbrück, o candidato social-democrata ao cargo de chanceler da Alemanha, durante evento de campanha em Potsdam, na noite de terça-feira. "Berlusconi é definitivamente um palhaço, com um nível de testosterona particularmente alto", acrescentou.

Uma série de políticos alemães proeminentes têm demonstrado preocupação com o resultado indefinido das eleições italianas, que foram concluídas na segunda-feira sem um claro vencedor no Parlamento do país. Os comentários de Steinbrück, no entanto, se destacaram pela agressividade. O líder do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD, pela sigla em alemão) é conhecido pela franqueza e por não ter papas na língua, mas suas críticas normalmente têm como alvo a chanceler Angela Merkel, pelas políticas adotadas durante a crise da zona do euro. Em diversas ocasiões, Steinbrück atribuiu a piora das condições econômicas na Europa a medidas de austeridade apoiadas por Berlim.

A estratégia de Merkel para a crise europeia, no entanto, encontra ressonância no eleitorado alemão. As últimas pesquisas de opinião para as eleições nacionais de setembro mostram a aliança conservadora governista na liderança, com apoio em torno de 40%, ante 25% para o SPD de Steinbrück.

A fala do líder oposicionista alemão sobre os líderes italianos virou manchete em vários jornais alemães. Em artigo publicado hoje, o Bild questiona: "os políticos palhaços da Itália vão quebrar o euro?", junto com uma ilustração de Berlusconi e Grillo usando maquiagem de palhaço e narizes vermelhos.

Nesta quarta-feira, o governo alemão reiterou a importância, no atual cenário da crise europeia, que seja formado um governo estável na Itália. "É necessário agora um sentido de responsabilidade nesta situação bastante difícil - e quero dizer toda a situação europeia - para que a Itália possa formar um governo capaz de agir", disse o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert, durante entrevista coletiva na capital alemã. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaItáliaBerlusconiGrillo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.