Tife Owolabi/EFE
Tife Owolabi/EFE

Opositor consolida liderança em eleição presidencial na Nigéria

Partido declara vitória após Muhammadu Buhari abrir mais de 1 milhão de votos de vantagem sobre o presidente Goodluck Jonathan

O Estado de S. Paulo

31 Março 2015 | 10h54

ABUJA - O candidato da oposição à presidência da Nigéria, Muhammadu Buhari, do partido Congresso de Todos os Progressistas (APC), continua liderando a disputa contra o atual presidente Goodluck Jonathan, do Partido Popular Democrático (PDP), no que pode tornar-se a primeira vez em que um candidato à reeleição é derrotado nas urnas no país mais populoso da África.

De acordo com o último resultado parcial divulgado nesta terça-feira, 31, pela Comissão Eleitoral Independente da Nigéria (Inec), Buhari já conquistou 11.444.062 votos contra 10.349.929 de Jonathan - vantagem que tem aumentado a cada parcial divulgada. 

Segundo a lei eleitoral nigeriana, para que um candidato seja declarado vencedor ele deve obter 50% mais um dos votos totais e, além disso, conseguir pelo menos 25% dos votos em 24 dos 36 estados do país. Até o momento, Buhari ainda precisa passar de 25% dos votos em nove Estados para ser declarado vencedor.

Uma contagem não oficial feita pela agência Reuters em 34 dos 36 Estados da Nigéria dá a Buhari uma vantagem ainda maior em relação a Jonathan : 14,6 milhões de votos contra 11,3 milhões.

O porta-voz do APC, Lai Mohamed, declarou nesta terça a vitória de seu partido na disputa presidencial, dizendo que a Nigéria estava "testemunhando a história". "Esta é a primeira vez que um partido deixará o governo na Nigéria unicamente através de meios democráticos", afirmou Mohamed à Reuters da casa na qual Buhari acompanha a apuração. "O povo da Nigéria assumiu o controle."

Mohamed disse não ter dúvidas de que o presidente Jonathan aceitará a derrota. "Ele afirmou diversas vezes que deixaria o poder se fosse derrotado em uma eleição limpa e livre."

Decisão. Ainda não é possível definir o resultado das eleições porque alguns importantes redutos do atual presidente, como o Delta do Níger, ainda não enviaram resultados parciais da votação. Para alguns especialistas, porém, a vantagem de Buhari já seria tão grande que o PDP não teria mais como reverter a situação.

"Existem muitas razões que podem explicar essa possível derrota do PDP, mas eu acho que a principal é o fato de a votação não ter sido manipulada", afirmou à Reuters Antony Goldman um consultor com contatos no alto escalão do governo. "Se você deixa a decisão para a população da Nigéria, ela está pronta para tomar decisões importantes e fazer do país algo mais parecido com uma democracia convencional."

O senador pelo Estado de Kwara e líder do opositor APC, Bukola Sarki, disse que o partido estava "no caminho da vitória". "Primeiro, precisamos gerenciar este período em que, pela primeira vez na história da Nigéria, um candidato à reeleição será derrotado nas urnas", afirmou Sarki.

"Devemos todos trabalhar juntos para recolocar o país na direção certa. Muitos sacrifícios terão que ser feitos nos próximos anos em razão da situação da segurança e da economia do país", completou o senador.

Manifestação. O anúncio dos resultados parciais da eleição foi interrompido nesta terça-feira quando o ex-ministro do PDP, Godsday Orubebe - um líder comunitário do Delta do Níger -, tomou o microfone no centro de apuração na capital Abuja e fez um discurso de 10 minutos contra o responsável pela comissão eleitoral, Attahiru Jega.

"Sr. presidente (da comissão), nós perdemos a confiança no que o senhor está fazendo. Você está sendo muito, muito seletivo. Você é parcial", disse Orubebe ao berros até ser contido por seguranças. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.