Arquivo/Efe
Arquivo/Efe

Opositor de Morales pede asilo na embaixada brasileira

'Tenho sido vítima de ameaças de morte e minha família também tem sido ameaçada', disse Roger Pinto

AE, Agência Estado

29 Maio 2012 | 14h34

LA PAZ - O chefe da bancada opositora ao governo do presidente boliviano Evo Morales, Roger Pinto, pediu asilo na embaixada do Brasil em La Paz porque, segundo afirmou, teme por sua vida e é vítima de perseguição política.

Veja também:

link Bolívia tem dia de manifestações pró e contra Morales

link Greve em La Paz leva a tumultos e cinco ficam feridos

link Onda de greves paralisa país e afeta Evo Morales

"As pressões contra mim têm se multiplicado e a perseguição se agravou. Tenho sido vítima de constantes ameaças de morte e minha família também tem sido ameaçada. A pressão hoje é insustentável e já não se trata da minha liberdade, mas sim da minha vida", disse o senador Roger Pinto em carta distribuída nesta terça-feira, 29, pela bancada opositora.

Ele acrescentou que "é por isso que decidi me refugiar em meu próprio país. E aqui ficarei, exigindo uma anistia ampla e irrestrita que permita a volta à pátria de centenas de refugiados que estão no exterior".

Pinto, que é líder do bloco opositor na Assembleia Legislativa, pediu refúgio na embaixada brasileira em La Paz na segunda-feira, 28, informou à Associated Press o deputado opositor Adrián Oliva.

"O chefe da oposição parlamentar na Bolívia denuncia a perseguição política. Já existem 20 ações judiciais contra ele com o objetivo de distanciá-lo de suas funções", afirmou Oliva. Na carta, Pinto acusa um juiz de falsificar provas contra ele.

O senador está nas instalações da embaixada do Brasil em La paz, segundo Oliva. Mas a representação diplomática não emitiu nenhum informe sobre o caso.

Pinto foi eleito senador pela região amazônica de Pando, que faz fronteira com o Brasil, pelo partido conservador Convergência Nacional.

As informações são da Associated Press

Mais conteúdo sobre:
Bolívia Brasil opositor asilo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.