Opositor é proibido de sair da Venezuela

Presidente da Globovisión deve se apresentar periodicamente à Justiça

AP, AFP e Efe, CARACAS, O Estadao de S.Paulo

17 de julho de 2009 | 00h00

A Justiça venezuelana proibiu o presidente da TV Globovisión, Guillermo Zuloaga, de deixar o país e o convocou a se apresentar periodicamente perante um tribunal por causa de um processo por "sonegação de mercadoria". A Globovisión é a única emissora crítica ao presidente Hugo Chávez que ainda transmite em canal aberto - embora só para as três principais cidades do país. Segundo o governo venezuelano, ela pode perder "50% de sua concessão", embora as autoridades não tenham explicado como isso pode afetar suas operações. "Isso é um terrorismo judicial", disse Zuloaga. "Eles presumem que eu poderia fugir do país ou obstruir a Justiça. Não vou fugir." Zuloaga, foi indiciado pelo delito de "usura" por armazenar ilegalmente 24 carros novos. Ele também é dono de uma concessionária e os veículos foram encontrados em maio, após uma busca em uma de suas casas, em Caracas. Segundo a oposição, o processo contra o empresário faz parte de uma estratégia para intimidar a imprensa. Chávez já ameaçou cassar a licença da Globovisión várias vezes. "Isso é o fim do mundo. A Justiça emite uma ordem para que um cidadão não deixe o país para que possa responder a um processo por armazenar veículos ilegalmente e eles se defendem dizendo se tratar de um ataque à liberdade de expressão", reclamou Diosdado Cabello, ministro de Obras Públicas, que também está à frente da Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel). Cabello explicou que o Estado pode recuperar 50% da concessão da Globovisión porque a licença foi entregue 14 anos atrás para duas pessoas, e uma delas morreu.Horas antes das declarações de Cabello, um promotor convocou dez trabalhadores da Globovisión para testemunhar sobre transmissões do canal. Em um programa de outubro, um convidado disse que Chávez terminaria como Benito Mussolini, "pendurado de cabeça para baixo".Cabello também anunciou que hoje se iniciam os procedimentos administrativos contra rádios que transmitem sem concessão. Segundo o governo, 240 emissoras serão tiradas do ar por não terem entregado documentos requeridos em um processo de recadastramento. Em maio de 2007, Chávez se recusou a renovar a concessão da RCTV, emissora de oposição e TV aberta de maior audiência do país. Agora, a Conatel vem tentando aumentar o controle sobre as redes que transmitem por cabo - o que afetaria novamente a RCTV.CURIEPEA calma voltou ontem a Curiepe, no Estado de Miranda, onde, na véspera, manifestantes enfrentaram soldados da Guarda Nacional depois de terem tentado invadir uma delegacia de polícia. Seis pessoas ficaram feridas no choque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.