EFE/Ahmad Yusni
EFE/Ahmad Yusni

Opositor malaio Anwar Ibrahim é libertado após indulto e pode voltar à política

Anúncio do benefício foi feito na sexta-feira, um dia após Mahathir Mohamad tomar posse como primeiro-ministro

O Estado de S.Paulo

16 Maio 2018 | 05h50

KUALA LUMPUR - O opositor malaio Anwar Ibrahim foi libertado nesta quarta-feira, 16, após receber um indulto na semana passada dos crimes de sodomia, que o mantêm preso há três anos, abrindo caminho para seu retorno à política.

+ Mistério do voo MH370 é desvendado, diz TV australiana

+ Ex-primeiro-ministro da Malásia é proibido de deixar o País

Sorridente e com um terno preto, Anwar abandonou o hospital de Kuala Lumpur onde foi submetido a uma cirurgia no ombro. Com 70 anos, ele saudou a multidão e entrou em um automóvel sem dar declarações aos jornalistas.

+ Primeiro-ministro admite derrota nas eleições da Malásia

+ Malásia proíbe 'fake news' e estabelece pena de prisão de até 6 anos

Fontes do partido de Anwar informaram que o político tem uma audiência com o rei Muhammad V e que deverá dar declarações durante a tarde.

O anúncio do indulto foi feito na sexta-feira, um dia após Mahathir Mohamad, de 92 anos, tomar posse como primeiro-ministro, depois de uma inesperada vitória nas eleições legislativas realizadas dois dias antes.

Mahathir havia se comprometido, em caso de uma vitória nas legislativas que permitisse sua chegada ao posto de primeiro-ministro, a ceder o cargo a Anwar, seu ex-inimigo, assim que este deixasse a prisão.

Relembre: Novo rei da Malásia é coroado

Os dois políticos se reconciliaram antes das eleições com o objetivo de retirar o poder do ex-premiê Najib Razak, envolvido em um grande escândalo financeiro que abala a Malásia desde 2015.

Mas Anwar não poderá se somar ao governo de imediato. Primeiro, ele deverá ser eleito parlamentar, já que perdeu sua cadeira no Parlamento em 2015, quando foi confirmada a pena por sodomizar um jovem, o que o levou à cadeia. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Malásia [Ásia]indulto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.