AP
AP

Opositor paquistanês insiste em protesto contra Governo

Manifestantes de uma comitiva de veículos na qual Sharif estaria entraram em confronto com a polícia

AE-AP,

15 de março de 2009 | 12h18

Manifestantes paquistaneses que protestavam contra o governo entraram em um confronto violento com a polícia, pouco antes de o líder da oposição, Nawaz Sharif, ter desacatado uma ordem de prisão domiciliar para integrar o protesto.

 

Veja também:

link Sharif desacata ordem de prisão domiciliar no Paquistão

link Líder opositor Nawaz Sharif é posto sob prisão domiciliar no Paquistão

 

Sharif anunciou ontem que lideraria a passeata contra o governo. A manifestação seria realizada por advogados e simpatizantes do partido de oposição que pedem a volta dos juízes destituídos pelo ex-presidente Pervez Musharraf.

 

Centenas de policiais cercaram a residência de Sharif neste domingo, em Lahore, e apresentaram uma ordem para que ele e seu irmão, Shahbaz, fossem detidos em prisão domiciliar por três dias, segundo Pervaiz Rasheed um porta-voz do partido.

 

Sharif afirmou que a ordem era ilegal e posteriormente deixou o local em um comboio em direção à passeata contra o governo, que já havia se transformado em um cenário de violência.

 

"Estes são os momentos decisivos", disse Sharif a seus aliados antes de entrar em um carro. "Eu digo a cada jovem paquistanês que este não é o momento de ficar em casa."

 

Rao Iftikhar, um dos altos funcionários do governo, disse que as autoridades haviam reavaliado as restrições a Sharif e permitiram que ele fosse até a passeata, desde que voltasse para casa após a manifestação.

 

Foto: AP

 

As autoridades do governo estacionaram caminhões em algumas das principais estradas e posicionaram tropas de choque em estações de trem e prédios do governo para conter os manifestantes, que avançaram sobre as barricadas e chegaram a atirar pedras nos policiais. As tropas do governo dispararam gás lacrimogêneo e agrediram os manifestantes com cassetetes.

 

Posteriormente, os ânimos acalmaram, a polícia recuou e os manifestantes passaram a agitar bandeiras e a aclamar Sharif. Em entrevista à rede de televisão Geo, o líder da oposição paquistanesa afirmou que "estava grato à nação" por ter correspondido à convocação do protesto e que "este era um prelúdio da revolução".

 

A turbulência política no Paquistão começou em fevereiro, quando a Corte Suprema afirmou impediu que Sharif fosse candidato nas próximas eleições presidenciais do país por conta de condenações ocorridas anteriormente. Zardari alimentou a crise ao dispensar Sharif do governo da província de Punjab, a maior e mais rica do Paquistão.

 

No sábado, após a secretária de estado dos EUA, Hillary Clinton ter conversado com Zardari e com Sharif por telefone, o governo anunciou que apelaria da decisão da Suprema Corte nos próximos dias.

 

O partido de Sharif comemorou a decisão, mas exigiu a reintegração de grupo de juristas destituídos em 2007 pelo general Musharraf, que temia ser declarado inelegível para disputar uma eleição presidencial enquanto estivesse em funções militares.

 

Foto: AP

 

Muitos analistas acreditam que Zardari tem medo de que os juízes destituídos possam questionar um acordo assinado por Musharraf retira diversas acusações de corrupção contra ele e sua esposa, a ex-líder Benazir Bhutto.

 

A queda de braço entre o presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, e Sharif ameaça paralisar o governo e desviar as atenções nacionais do combate aos militantes do Taleban que operam na fronteira com o Afeganistão, algo que preocupa especialmente os EUA. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.