Maxim Shemetov/Reuters
Maxim Shemetov/Reuters

Opositor russo diz que é vítima de ‘tortura’ na prisão 

Alexei Navalni denuncia que sofre privação do sono; advogada teme pela vida do dissidente, que tem problemas de saúde

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2021 | 20h40

MOSCOU - Os colaboradores de Alexei Navalni denunciaram nesta quinta-feira, 25, que a “vida e a saúde” do líder opositor russo estão ameaçadas. Navalni, que cumpre pena de 2 anos e 6 meses de prisão, denunciou que seus carcereiros o estão privando do sono durante a noite, o que equivale a uma “tortura”. “Os guardas me impedem de dormir. É de fato uma tortura por privação do sono”, escreveu o opositor, explicando que os seguranças o acordam mais de oito vezes à noite.

Navalni também sofre “fortes dores” nas costas e na perna esquerda, informou sua advogada Olga Mikhailova, que disse temer pela vida de seu cliente. “Para mim, seu estado de saúde é obviamente extremamente problemático. Todos temem por sua vida e sua saúde”, afirmou Mikhailova. 

Segundo advogada, que conseguiu visitar seu cliente nesta quinta-feira na prisão, Navalni foi levado na noite de quarta-feira para um hospital público, onde fez uma ressonância magnética, mas não obteve o diagnóstico. Ela considerou que poderia haver uma relação entre seus problemas de saúde atuais e seu envenenamento, em agosto, que o opositor atribui ao Kremlin. 

Os serviços penitenciários da região próxima de Moscou, onde ele está preso, afirmaram que exames médicos foram realizados a pedido do detido e o estado de saúde de Navalni é “considerado estável e satisfatório”. A mulher do dissidente, Yulia Navalnaya, disse que ele sofre de dores nas costas há cerca de um mês e “a situação só está piorando”. Ela acrescentou que um neurologista examinou seu marido, mas só lhe passou comprimidos de ibuprofeno, um analgésico e anti-inflamatório.

Yulia denunciou uma “vingança pessoal” do presidente russo, Vladimir Putin, e exigiu novamente sua libertação imediata. Navalni foi preso em janeiro, ao retornar à Rússia, depois de um tratamento de cinco meses na Alemanha por causa do envenenamento. Vários laboratórios europeus constataram que ele havia sido envenenado com novichok, um agente nervoso desenvolvido na era soviética para fins militares. 

O opositor foi condenado por um caso de fraude de 2014 – o que ele, ONGs e vários países ocidentais consideram uma prisão política. Navalni está detido desde o início do mês em uma colônia penal em Pokrov, 100 km a leste de Moscou, conhecida como uma das mais severas da Rússia./ AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Moscou [Rússia]Alexei Navalny

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.