Reprodução/NYT via CubaOne Foundation
Reprodução/NYT via CubaOne Foundation

Opositores cubanos denunciam censura em mensagens de texto por parte da estatal de telefonia móvel

Empresa Cubacel estaria bloqueando mensagens com mais de 30 palavras e com expressões como ‘direitos humanos’ e ‘democracia’

O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2016 | 10h33

HAVANA - Um grupo de opositores cubanos denunciou na segunda-feira o bloqueio de mensagens de texto com expressões como "greve de fome", "democracia" e "direitos humanos" por parte do monopólio estatal de telefonia móvel, Cubacel.

Uma pesquisa realizada durante os últimos 10 dias publicada na segunda-feira pelo portal de notícias 14ymedio, da blogueira Yoani Sánchez, revelou que as mensagens de texto que continham mais de 30 palavras foram bloqueadas pela Cubacel em todo o território cubano.

"O propósito é dificultar que as pessoas da sociedade civil (opositores) se comuniquem", disse o chefe de redação do 14ymedio, Reinaldo Escobar.

Depois de realizar provas com vários usuários da Cubacel, foi comprovado também que as mensagens com as palavras em espanhol "greve de fome", "direitos humanos" e "democracia" não foram enviadas, apesar de terem sido incluídas em textos mais longos.

Procurados pela agência de notícias France-Presse, os funcionários do monopólio estatal de telecomunicações, Etecsa, não quiseram comentar a denúncia.

A investigação do 14ymedio não consegue dizer desde quando o suposto filtro começou a ser aplicado. "Suspeitamos que começou no início do ano", acrescentou Escobar.

Aberta desde 2008, a rede de telefonia móvel de Cuba tem cerca de três milhões de usuários, em uma população de 11,2 milhões de habitantes. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
CubaTelefone CelularCensura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.