AP Photo/David Vincent
AP Photo/David Vincent

Opositores lançam ovos em Len Pen durante visita a uma fábrica

Protegida por guarda-costas, a candidata ultradireitista não chegou a ser atingida, mas entrou rapidamente na empresa

O Estado de S.Paulo

04 Maio 2017 | 14h20

PARIS - A candidata ultradireitista à presidência da França, Marine Le Pen, foi recebida nesta quinta-feira, 4, com ovos lançados por opositores quando fazia uma visita a uma fábrica em Dol-de-Bretagne, na região da Bretanha, no oeste do país.

Em sua chegada a uma empresa de transportes, cerca de 50 opositores da Frente Nacional (FN) gritaram "Fora fascistas" e "Você não tem nada a fazer aqui, madame", lançando ovos em direção à candidata. Protegida por guarda-costas, Le Pen não chegou a ser atingida, mas entrou imediatamente na companhia.

O incidente aconteceu um dia após um debate televisionado entre Le Pen e seu rival centrista, Emmanuel Macron, marcado por uma violência verbal sem precedentes, segundo alguns comentaristas.

Após o duelo, assistido por cerca de 16,5 milhões de espectadores, o candidato de 39 anos ainda permanece favorito nas pesquisas, que preveem cerca de 60% dos votos para ele no segundo turno da eleição presidencial no domingo.

Na Bretanha, Marine Le Pen, de 48 anos, ficou em quarto lugar no primeiro turno da votação, realizado no dia 23 de abril, com 15,33% dos votos, longe de seu oponente que recebeu 29,05% dos votos.

Esta tarde, segundo sua agenda oficial, a líder da FN participará de uma "festa popular" na região de Picardia, onde fará um discurso. Na sexta-feira, ela concederá entrevistas a meios de comunicação franceses.

Agressões semelhantes à ocorrida em Bretanha já foram vistas anteriormente. No dia 1.º de março, Macron foi atingido por um ovo na testa no Salão da Agricultura de Paris. O ex-primeiro-ministro Manuel Valls também foi atacado durante a campanha das primárias socialistas, com o lançamento de um saco de farinha em dezembro e um tapa em janeiro. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.