Opositores se refugiam em embaixada dos EUA no Zimbábue

Cerca de 220 pessoas, em sua maioria simpatizantes da oposição, ficam desabrigadas após onda de violência

Efe e Reuters,

03 de julho de 2008 | 15h02

Aproximadamente 220 pessoas, em sua maioria simpatizantes do opositor Movimento para a Mudança Democrática (MDC), tentaram se refugiar na Embaixada dos Estados Unidos na capital do Zimbábue, informou o embaixador americano, James McGee, à rede CNN nesta quinta-feira, 3. Segundo McGee, a embaixada está atuando em conjunto com organizações de assistência humanitária para encontrar um alojamento adequado para os refugiados que se mantêm em frente ao edifício da legação diplomática na capital zimbabuana.   Veja também: Oposição rejeita governo de coalizão no Zimbábue Tsvangirai: de líder sindical a inimigo do regime Mugabe: uma história de 3 décadas no poder   Alguns dos que buscam refúgio na embaixada disseram que não têm onde viver, pois suas casas foram destruídas pelas milícias leais ao governo por serem partidários da oposição.   O MDC afirma que a governamental União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF) realizou violentos ataques contra a oposição durante a campanha do segundo turno das eleições presidenciais realizadas em 27 de junho.   As eleições foram vencidas pelo presidente zimbabuano, Robert Mugabe, que participou sozinho do pleito depois que seu adversário e líder do MDC, Morgan Tsvangirai, abandonou a disputa alegando falta de segurança.   Sanções   Ainda nesta quinta, o embaixador americano nas Nações Unidas, Zalmay Khalilzad, disse que seu país enviou formalmente ao Conselho da ONU as sanções contra o Zimbábue. "Esperamos que a resolução seja votada na semana que vem", declarou o embaixador.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.