Khaled Elfiqi /Efe
Khaled Elfiqi /Efe

Opositores sírios esperam conseguir postura unificada após reunião no Cairo

Conselho de Coordenação Nacional (CCN) quer governo que não tenha cometido crimes de guerra

Efe,

03 de julho de 2012 | 12h06

CAIRO - Representantes dos grupos opositores sírios dentro e fora do país árabe, reunidos no Cairo, Egito, demonstraram otimismo com os resultados do encontro e esperam alcançar uma postura unificada nesta terça-feira, 3.

Veja também:

linkRelatório da Human Rights Watch descreve o terror dos centros de tortura da Síria

linkMissão da ONU na Síria pode ser encerrada ou reduzida

linkONU vê tráfico de armas para os dois lados do conflito sírio

"Espero que no final seja encontrado um consenso com uma visão clara", disse Ahmed Ramadan, dirigente do principal grupo opositor no exílio, o Conselho Nacional Sírio (CNS). O ativista disse que o objetivo da reunião é mostrar que é possível adotar um plano para derrubar o regime de Bashar al Assad. Além disso, Ramadan afirmou que os opositores buscam o apoio da comunidade internacional, do Exército Livre Sírio (ELS) e das forças revolucionárias dentro do país.

Ontem, o ELS disse por meio de um comunicado que o encontro é uma "conspiração" pois pretende salvar o regime e demonstrar que a oposição não pode ser uma alternativa.

Khalaf Dahud, porta-voz do Conselho de Coordenação Nacional (CCN), organização que representa a oposição interna, disse que "há possibilidade de se chegar a um acordo". "Qualquer grupo que se desvincule agora vai se isolar do processo da revolução", opinou Dahud, que explicou que a conferência se centrou na etapa da transição após a queda do regime, mas não detalhou os mecanismos para derrubar o atual governo.

Em relação à postura do ELS, Dahud disse que o ponto de vista dos grupos armados será levado em consideração, mas "no final será a voz política que decidirá o futuro da Síria".

No encontro, realizado num hotel nos arredores da capital, mais de duzentos opositores de dentro e fora da Síria, na presença de vários ministros das Relações Exteriores árabes, analisam um "documento de acordo nacional" que adote um projeto de transição após a queda do regime.

Este plano inclui pontos como a separação entre religião e Estado, alternância do poder, igualdade de direitos para todos os cidadãos e liberdades públicas.

Um dos pontos de conflito para a oposição é a proposta apresentada pelo Grupo de Ação para a Síria de formar um governo transitório que inclua figuras do regime e a oposição.

Enquanto o CNS rejeita essa iniciativa, o Conselho de Coordenação Nacional (CCN) impõe como condição que os membros do regime que formem o governo não tenham cometido crimes de guerra.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.