Opositores ucranianos assumem controle do prédio presidencial em Kiev

Presidente Viktor Yanukovych teria abandonado a capital da Ucrânia

Agências internacionais / Agência Estado

22 de fevereiro de 2014 | 10h59

Um grupo de opositores do governo ucraniano ocupou e assumiu o controle do palácio presidencial em Kiev neste sábado. Segundo afirmam líderes do parlamento, o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovych, abandonou a capital um dia depois do acordo firmado entre o presidente e a oposição que tenta acabar com a onda de violência no país. 

Vitali Klitschko, um dos três líderes oposicionistas que assinaram o acordo para pôr fim à violência na Ucrânia, reforçou a tese de que o presidente havia abandonado Kiev, mas afirmou que o paradeiro dele ainda é desconhecido. "Ele saiu da capital", disse o líder ao Parlamento, após reportagens locais sugerirem que Yanukovich havia se deslocado para o leste do país. Membros da oposição especulam que Yanukovych tenha ido para Kharkiv, na parte nordeste da Ucrânia.

Não está claro se Yanukovich já iniciou uma transição política ou apenas deixou a sede presidencial diante da pressão de manifestantes. Segundo informações do jornal The New York Times, membros de um grupo de oposição da cidade de Lviv chamados de "The 31st Hundred" (a Trigésima Primeira Centena, em português), -- carregando porretes e alguns deles portando máscaras -- controlavam as entradas do prédio presidencial na manhã deste sábado. Eles não ocupavam o interior do edifício, mas mantinham membros no entorno do palácio. O grupo teve a garantia dos chefes de segurança do governo de que não serão mais alvo de disparos.

Os manifestantes alegaram ter dominado outras regiões de Kiev. Na manhã de sábado, eles asseguraram ter o controle de vias de interseção importantes e também de todo distrito do governo da cidade. Essas regiões foram abandonadas pelos policiais, que deixaram para trás caminhões militares e colchões incinerados, além de montes de lixo que serviam de barricada contra o avanço dos opositores.

No Parlamento, os membros da oposição começam a preparar o terreno para mudar a liderança. A meta é eleger presidente o aliado oposicionista Oleksander Turchynov. Klitschko convocou novas eleições para substituir Yanukovych até 25 de maio. "Milhões de ucranianos veem apenas uma escolha - antecipar as eleições presidenciais e parlamentares", ele escreveu em uma rede social.

A líder da oposição ucraniana Yulia Tymoshenko deve ser libertada hoje na cidade de Kharkiv, onde era tratada em um hospital. Yulia foi presa em 2011 por abuso de poder ligado a um negócio de gás e é uma rival do presidente Yanukovich. "De acordo com a lei ucraniana minha mãe já é uma pessoa livre", disse Yevgenia a jornalistas, seguindo um voto no Parlamento para acelerar os processos de libertá-la. / New York Times, REUTERS e Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Ucrânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.