TATYANA ZENKOVICH/EFE
TATYANA ZENKOVICH/EFE

Opositores vão às ruas e enfrentam a polícia após vitória de líder bielo-russo

Pesquisas de boca de urna apontam triunfo esmagador de Alexander Lukashenko, há 26 anos no poder e conhecido como o 'último ditador da Europa'

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2020 | 21h17

MINSK - Pesquisas de boca de urna indicam que o presidente da Bielo-Rússia, Alexander Lukashenko, no poder há 26 anos, está virtualmente eleito para um sexto mandato. Ele comanda a ex-república soviética desde que venceu a última eleição livre no país, em 1994. Houve protestos nas ruas, mas a agência estatal de notícias disse que a polícia havia controlado os distúrbios no final da noite.

Lukashenko teria sido reeleito ontem com quase 79,7% dos votos, conforme as pesquisas, derrotando a candidata Svetlana Tikhanovskaya, que estaria com 6,8%. Protestos contra o resultado, que ainda não foi oficializado, começaram durante a noite, com a polícia atirando bombas de gás lacrimogêneo contra os manifestantes, que revidaram com pedras. 

A agência de notícias russa Ria Novosti e os sites de oposição bielo-russos tut.by  e Nexta registraram os confrontos nas proximidades do monumento Stella na capital.

A revolta ocorre porque milhares de pessoas participaram dos comícios de Svetlana, mulher de um dos líderes das pesquisas informais da corrida presidencial, o popular youtuber Siarhei Tikhanovski. Ele foi preso no fim de maio e impedido de concorrer.

A votação de ontem não pôde ser acompanhada por observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), cujo objetivo é promover a democracia e dos direitos humanos no continente. Vários países europeus, incluindo a Alemanha, criticaram o processo eleitoral que excluiu dois dos principais candidatos da oposição ao presidente.

Cerca de 6,8 milhões de pessoas foram convocadas a participar do pleito. A atmosfera na capital Minsk era tensa, com forte presença da polícia e das forças especiais do governo nas ruas. Diversas pessoas relataram problemas para se acessar a internet no país.

Também ontem, três funcionários da emissora de televisão russa crítica ao Kremlin Doschd foram presos em Minsk.

Lukashenko, chamado de “o último ditador da Europa”, estaria a caminho de conquistar seu sexto mandato consecutivo, mas analistas dizem que o homem forte da Bielo-Rússia pode enfrentar uma nova onda de protestos por causa de sua resposta equivocada contra a pandemia do novo coronavírus, a crise econômica e as violações aos direitos humanos.

Antes da votação, ele advertiu que a dissidência não seria tolerada e ele não desistiria de sua “amada” Bielo-Rússia. “Não vamos dar o país a vocês”, disse o presidente, se referindo a seus oponentes, ao falar à nação no início da semana passada.

“A situação não deve ser subestimada, mas não há absolutamente nada que fundamente a tese de que a partir de amanhã o país vai estar no caos ou em conflagração ou guerra civil. Eu garanto isso”, disse o presidente a repórteres um pouco após votar.  / AFP, REUTERS E NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.