EFE/Miguel Gutiérrez
EFE/Miguel Gutiérrez

Opositores venezuelanos desafiam Maduro em protesto de 1º de Maio

No dia em que completa um mês de mobilizações contra o presidente Nicolás Maduro, oposição venezuelana marchará para pedir eleições antecipadas no país; chavismo faz ato de apoio ao líder socialista no centro de Caracas

O Estado de S.Paulo

01 Maio 2017 | 10h32
Atualizado 01 Maio 2017 | 12h55

CARACAS - A oposição venezuelana, que completa um mês de mobilizações contra o presidente Nicolás Maduro, marchará novamente nesta segunda-feira, 1º, em todo o país, em aberto desafio ao governo que normalmente organiza grandes concentrações no dia 1º de Maio.

Embora até agora tenham sido bloqueados pelas forças de segurança, os opositores tentarão chegar à sede do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) e do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) nos 24 Estados do país para exigir eleições gerais.

"O regime joga com nosso desgaste, por isso após um mês de resistência devemos demonstrar força", declarou Freddy Guevara, vice-presidente do Parlamento, único poder estatal controlado pela oposição.  "Estou pronta para lutar até Maduro sair. Isto é uma ditadura disfarçada. A Venezuela está na UTI", disse Matilde Rodríguez, de 67 anos, uma moradora do bairro Petare. "Não há comida e te matam por um par de sapatos."

Policiais e militares já mobilizaram veículos antimotins e barreiras metálicas em pontos estratégicos para frear o acesso ao centro de Caracas. O sistema de metrô mantém nesta segunda-feira 31 estações fechadas. Além disso, a Guarda Nacional Bolivariana (GNB) fechou a estrada Caracas-La Guaira, que dá acesso à cidade partindo do aeroporto de Maiquetía.

Maduro liderará uma concentração de seus seguidores na Plaza Bolívar, no centro de Caracas, considerado um reduto dos chavistas e onde estão o CNE, o TSJ e outros poderes públicos.

"O 1º de Maio pertence à classe trabalhadora. Não é dia de capitalismo, nem de direita", afirmou o presidente socialista em seu programa dominical.

Maduro afirma que seus adversários buscam aplicar um golpe de Estado para propiciar uma intervenção estrangeira, enquanto a oposição o acusa de instaurar uma ditadura.

Emboscada" de abril. Desde que os protestos começaram, em 1º de abril, os confrontos entre forças antimotins e manifestantes, os saques e tiroteios, deixaram 28 mortos e centenas de feridos, e governo e oposição se acusam mutuamente.

"Foi uma verdadeira emboscada, uma arremetida violenta para criar caos na sociedade, atacar o poder político e impor na Venezuela uma contra-revolução violenta", disse Maduro.

A convulsão política encontrou terreno fértil em um país que, apesar de ter as maiores reservas de petróleo do planeta, sofre uma severa escassez de alimentos e remédios e com a inflação a mais alta do mundo, que o FMI estima em 720% para 2017.

Na véspera da comemoração do Dia do Trabalho, Maduro aumentou o salário mínimo mensal - salário básico e bônus alimentar - de 150 mil a 200 mil bolívares (280 dólares na taxa oficial mais alta e 50 dólares no mercado paralelo).

A oposição afirma que este aumento já foi ultrapassado pela inflação dos primeiros meses, e a crise econômica se resolverá quando Maduro, cuja gestão - que termina em janeiro de 2019 e é rejeitada por sete em cada dez venezuelanos, segundo pesquisas privadas - deixar o poder.

Nova etapa. Os protestos explodiram depois que o TSJ assumiu temporariamente as funções do Parlamento. Embora tenha voltado atrás nesta decisão após fortes críticas internacionais, a decisão desencadeou a atual onda de manifestações, que trouxe à tona as lembranças dos protestos de 2014 que deixaram 43 mortos.

Sem uma solução de curto prazo à vista, a oposição promete seguir nas ruas até conquistar um calendário eleitoral; enquanto Maduro repetiu no domingo seu enigmático pedido de apoio aos seus seguidores para o que estiver por vir.

"Estou convocando a um novo cenário na Venezuela para acabar com esta situação de golpe continuado e fascista. Não vou vacilar, não é tempo de medo, não é tempo de dúvida", afirmou. O presidente socialista cogitou a possibilidade de convocar uma Assembleia Constituinte, sem dar detalhes, razão pela qual seu discurso do Dia do Trabalho gerou expectativa.

"O anúncio mais importante e histórico a trabalhadores e ao país que Maduro pode fazer é deixar o poder", disse o líder opositor Henrique Capriles. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.