Oradores das mesquitas proibidos de criticar judeus

O ministro egípcio de Assuntos Islâmicos, Hamdi Zaqzuq, solicitou aos oradores das mesquitas do país que "evitem criticar aos judeus" nos sermões de sexta-feira, informa neste domingo o diário independente "Al Masri al Yom".O jornal cita "vários oradores de mesquitas" que asseguram que o ministro disse que "não tolerará o uso das mesquitas para ofender aos judeus ou falar de assuntos políticos". A petição de Zaqzuq foi rechaçada por vários clérigos de Al Azhar, a instituição mais prestigiosa do Islã sunita, com sede no Cairo, por considerarem que a decisão tem "motivações políticas".As críticas ao Estado hebreu nas mesquitas egípcias aumentaram desde os enfrentamentos entre o Exército de Israel e a milícia Hezbollah, após o seqüestro por este grupo de dois soldados israelenses em 12 de julho passado. O Egito foi o primeiro país árabe a firmar a paz com Israel, em 1979, seguido pela Jordânia, em 1994.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.