Moritz Frankenberg/dpa via AP
Moritz Frankenberg/dpa via AP

Organizações de direitos humanos não conseguem resgatar aliados do Afeganistão

Autoridades americanas, falando sob condição de anonimato para discutir o planejamento, disseram que o Departamento de Estado está considerando levar ativistas em aeronaves americanas ou voos fretados pagos pelo governo

Missy Ryan e Kareem Fahim/ The Washington Post, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2021 | 12h31

Ativistas, jornalistas e defensores dos direitos das mulheres afegãos tentam identificar rotas de fuga, enquanto as organizações da sociedade civil internacional intensificavam um esforço caótico para retirar aliados locais sob ameaça após a tomada do Taleban no Afeganistão.

O colapso incrivelmente rápido do Estado afegão provocou um sentimento de desespero em um esforço de um mês de grupos de ajuda externa e organizações religiosas e de defesa para garantir vistos, voos ou qualquer tipo de saída para os afegãos vistos como prováveis alvos militantes.

Organizações de direitos humanos nos últimos dias enviaram ao Departamento de Estado americano uma enxurrada de e-mails com planilhas mostrando as identidades e detalhes pessoais de milhares de afegãos que não se qualificam para a consideração do visto prioritário já anunciado pelo governo Biden, mas cujas vidas podem estar em perigo.

A sensação sobre a falta de segurança foi agravada por avisos que alguns integrantes do Taleban deram a ativistas para ficarem quietos.

Uma ativista dos direitos das mulheres, que falou sob condição de anonimato porque temia por sua segurança, disse que ela e outras pessoas que ganharam reconhecimento internacional enquanto eram encorajadas pelos Estados Unidos para defender suas posições públicas estão agora em risco, junto com suas famílias.

“Fomos nós que levantamos nossas vozes por anos”, disse ela sobre suas colegas ativistas. “O Afeganistão está pegando fogo. Ninguém tem visto. Ninguém tem nada. Honestamente, estou perdida.”

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, defendendo a maneira como o presidente Biden está lidando com a situação em entrevistas televisionadas no domingo, disse que o governo lançou um esforço "em massa" para retirar afegãos em risco, mas ele forneceu poucos detalhes.

Autoridades americanas, falando sob condição de anonimato para discutir o planejamento, disseram que o Departamento de Estado está considerando levar ativistas em aeronaves americanas ou voos fretados pagos pelo governo. As autoridades também disseram que estão discutindo a permissão de aviões fretados por organizações internacionais enquanto as forças dos EUA controlam o aeroporto internacional de Cabul.

O destino de muitos dos afegãos que agora clamam por ajuda foi obscurecido por meses pela atenção do Congresso e da mídia aos ex-intérpretes e outros afegãos que trabalhavam diretamente com o governo dos EUA e buscavam asilo sob o programa Visto de Imigrante Especial, ou SIV.

Embora o governo tenha agido nas últimas semanas para acelerar o processamento de candidatos ao SIV e tenha começado a transportar candidatos e suas famílias para fora do Afeganistão, não o fez para outros que podem ser alvos do Taleban por causa de sua afiliação com organizações internacionais, mas que são não elegível para o programa SIV.

Várias pessoas envolvidas no esforço de retirada disseram ter ficado chocadas com a falta de preparo do governo Biden para a possibilidade de que ativistas mulheres e outros afegãos vulneráveis corressem risco e precisassem de ajuda — especialmente considerando o quão central a questão dos direitos das mulheres tem sido para os EUA em seu projeto no Afeganistão. Foi um esforço citado por sucessivos presidentes americanos como justificativa para a presença dos EUA.

Uma onda de assassinatos nos últimos 18 meses atingiu jornalistas, acadêmicos e defensores da paz. O Taleban frequentemente nega responsabilidade pelos ataques, enquanto as autoridades afegãs culpam militantes ligados ao Taleban.

Amed Khan, uma filantropa e defensora dos direitos humanos baseada em Nova York que tem trabalhado para retirar afegãos em risco, disse que entre os candidatos ao SIV, ativistas pelos direitos das mulheres e outros aliados, milhares de pessoas “arriscaram suas vidas implementando nossa agenda nos últimos 20 anos. ”

“Tenho plena fé no presidente Biden de que ele manterá as tropas americanas em Cabul para proteger todas as 100.000 pessoas que estão no topo da lista de mortos do Taleban”, disse ele.

Vários grupos externos têm tentado fretar aeronaves para transportar funcionários locais - um único vôo pode custar cerca de US$ 1,4 milhão para um avião de 40 assentos - mas eles não podem agir de acordo com esses planos, a menos que possam garantir que os voos possam pousar e decolar com segurança. Em outros casos, milionários se apresentaram e forneceram aviões privados, e alguns governos, como a Albânia, disseram que aceitarão pessoas sem vistos.

Krish O’Mara Vignarajah, presidente do Serviço Luterano de Imigração e Refugiados, disse que sua organização foi inundada com apelos de afegãos em pânico. Ela disse que a promessa do governo de expandir a assistência além dos SIVs foi bem-vinda, mas foi dificultada pela crescente incerteza no local.

“Não há garantias de que, uma vez que esses indivíduos tenham sido identificados e as alegações confiáveis sejam validadas, qualquer coisa resultará disso”, disse ela. “As condições em constante mudança no Afeganistão questionam o que podemos fazer por essas pessoas.”

Alguns legisladores dos EUA disseram que as forças americanas precisam assegurar o aeroporto de Cabul o tempo necessário para permitir o máximo de retiradas possível.

“Meu apelo é para restabelecermos a segurança no aeroporto de Cabul e não apenas por uma breve janela para resgatar os cidadãos americanos restantes”, mas também os afegãos agora sob crescente ameaça, disse a deputada Elissa Slotkin (Democrata do Michigan), que estava entre os legisladores informados por Blinken e outros em uma ligação na manhã de domingo. “Esse é o ponto de pressão agora.”

Não está claro que controle os Estados Unidos têm sobre as operações aeroportuárias nesta fase ou o que o Taleban, que está comandando as instalações do governo e assumindo pelo menos o controle nominal das forças de segurança do país, permitirá.

O governo Biden havia planejado anteriormente que o governo turco assumisse a responsabilidade de salvaguardar o aeroporto após a partida dos EUA, mas esses arranjos não foram finalizados. Agora parece ser o que um funcionário dos EUA chamou de “águas desconhecidas”.

Tanya Henderson, fundadora e diretora executiva da Mina's List, que apóia a liderança política e a participação das mulheres em todo o mundo, disse que sua organização e uma vasta rede de outros grupos — de entidades sem fins lucrativos a doadores internacionais, em coordenação com o governo dos Estados Unidos — têm trabalhado em torno para retirar cerca de 8.000 afegãos, incluindo ativistas dos direitos das mulheres, defensores dos direitos humanos, educadores, atores e jornalistas. A lista estava “crescendo a cada minuto”, disse ela.

Após semanas de trabalho, os parceiros afegãos de sua organização identificaram aqueles que precisavam ser retirados, junto com suas famílias, e descobriram como levá-los ao aeroporto. Será tudo em vão, disse ela, se o aeroporto fechar. 

Henderson descreveu o sentimento de tristeza ao ver um esforço de duas décadas para fortalecer a sociedade civil das mulheres desmoronar. “Estamos jogando todo esse esforço para os lobos”, disse ela.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão [Ásia]Taleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.