Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
AFP PHOTO / POLICE NATIONALE
AFP PHOTO / POLICE NATIONALE

Organizador dos atentados em Paris teria recrutado equipe em Budapeste

Porta-voz do governo húngaro disse que ‘um dos principais organizadores dos ataques’ estava na estação de Keleti e recrutou alguns imigrantes que se recusavam a fazer cadastramento

O Estado de S. Paulo

04 de dezembro de 2015 | 10h32

BUDAPESTE - Um dos "principais organizadores" dos atentados de Paris, cometidos em 13 de novembro, "recrutou uma equipe" que contava com imigrantes que transitaram pela estação de Budapeste, afirmou na quinta-feira um porta-voz do governo húngaro, sem citar nomes.

Uma fonte do governo da Hungria, que pediu para não ser identificada, disse que o recrutador era Salah Abdeslam, foragido desde os atentados de novembro.

"Um dos principais organizadores dos ataques terroristas de Paris estava na estação de Keleti, em Budapeste, onde recrutou uma equipe entre eles (os imigrantes), que recusavam o cadastramento, e deixou o país com o grupo", declarou o porta-voz do governo húngaro, Janos Lazar, em entrevista coletiva.

Lazar não especificou a data, as identidades das pessoas envolvidas, ou se elas participaram dos ataques à capital francesa.

Milhares de pessoas passaram pela estação de Keleti diariamente até o fechamento da fronteira sérvia por parte da Hungria em 15 de setembro.

Em Paris, uma fonte ligada às investigações disse que um veículo alugado por Salah Abdeslam foi localizado em 17 de setembro na Hungria. Contudo, os investigadores ainda não determinaram formalmente se o francês de 26 anos, que vivia na Bélgica e era alvo de uma ordem de prisão internacional, estava de carro ou se estava acompanhado. /AFP

Tudo o que sabemos sobre:
ParisatentadosBudapesteimigrantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.