Organizadores esperam até 15 mil em protesto anti-Bush em Viena

Uma coalizão autoproclamada "Bush Go Home" anunciou nesta segunda-feira esperar que de 10 mil a 15 mil pessoas participem na quarta-feira de uma manifestação em Viena contra a visita do presidente americano, George W. Bush."O nome George Bush, o nome do presidente americano, tornou-se um símbolo para crimes de guerra, para Abu Ghraib, para Guantánamo, para Jenin", afirmou um dos organizadores do protesto, Michael Proebsting, membro da facção austríaca da Liga pela Quinta Internacional.A coalizão é formada, entre outros grupos, pela Iniciativa Comunista, a Coordenação Antiimperialista e representantes das comunidades turca, síria, iraquiana e palestina na Áustria.A pacifista americana Cindy Sheehan - que energizou o movimento contra a guerra do Iraque no ano passado com seu protesto de um mês na frente do rancho de Bush no Texas - será um dos participantes do protesto na quarta-feira na capital austríaca."Acredito que trata-se de uma questão internacional (...) o que meu presidente faz afeta todo o mundo, não apenas os Estados Unidos", explicou ela nesta segunda-feira a repórteres ao desembarcar no aeroporto internacional de Viena. Sheehan perdeu um filho na guerra do Iraque."Você não pode alcançar a paz matando pessoas", disse. "Paz não é a ausência de conflito - é a resolução de conflito sem violência".Sheehan disse que foi à Áustria para "mostrar ao mundo que a maioria das pessoas nos Estados Unidos não apóia Bush nem suas políticas".O líder dos Social Democratas austríacos, Alfred Gusenbauer, que recebeu Sheehan no aeroporto, frisou que a manifestação era "anti-Bush, e não anti-EUA."Ele disse esperar que entre 10 mil e 15 mil pessoas participem do protesto na tarde de quarta-feira, dia da cúpula União Européia-EUA em Viena. A Áustria exerce atualmente a presidência rotativa da UE.Mas com 3.000 policiais mobilizados para garantir a segurança na cidade, os organizadores não têm muitas esperanças de se aproximar do Palácio Hofburg, palco da cúpula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.