Órgão da ONU aprova relatório sobre crimes em Gaza

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, formado por 47 países, votou hoje a favor de um relatório sobre crimes de guerra na Faixa de Gaza. O documento segue para o Conselho de Segurança, em um possível primeiro passo para julgar israelenses e palestinos acusados por essas violações.

AE-AP, Agencia Estado

16 de outubro de 2009 | 12h15

O Conselho de Direitos Humanos aprovou a resolução, respaldada pelos palestinos, após dois dias de debate sobre o texto. O conflito de 27 de dezembro a 18 de janeiro em Gaza deixou 1.400 palestinos e 13 israelenses mortos.

A resolução foi aprovada por 25 votos a 6, com a maioria das nações em desenvolvimento a favor dele e os Estados Unidos e cinco países europeus contra. Diversos países, sobretudo da Europa e da África, se abstiveram. Entre os que não votaram, estavam Grã-Bretanha e França.

Israel e EUA qualificaram o relatório como "tendencioso" e advertiram que o resultado da votação de hoje poderia prejudicar as perspectivas de paz no Oriente Médio. O ministro de Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, disse que o apoio ao informe poderia ter consequências de longo alcance.

"Quem quer que vote a favor do relatório deve entender que da próxima vez serão os soldados e oficiais da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) no Afeganistão e, depois, os soldados e oficiais russos na Chechênia", afirmou Lieberman ontem à noite.

O diplomata norte-americano Douglas Griffiths disse que seu país estava desapontado com o resultado. Os EUA queriam que o relatório permanecesse em Genebra. O país deve vetar qualquer ação do Conselho de Segurança relativa ao texto.

O documento, elaborado pelo juiz Richard Goldstone, afirma que israelenses e palestinos cometeram crimes de guerra. Segundo o texto, Israel usou força desproporcional e atacou civis deliberadamente, enquanto os militantes do Hamas usaram civis como escudo humano e atacaram civis indiscriminadamente ao lançar foguetes em território israelense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.