Órgão regulador do Chile fecha 30 minas por segurança, diz fonte

33 mineiros estão presos em mina no norte do país desde 5 de agosto, após desabamento do local

Reuters,

26 de agosto de 2010 | 19h06

SANTIAGO- O órgão regulador da mineração no Chile ordenou o fechamento de 30 pequenas minas de cobre após o acidente que deixou 33 mineiros presos no norte do país e reabriu a discussão sobre as condições de segurança da atividade, informou nesta quinta-feira, 26, um integrante da Sociedade Nacional de Mineração (Sonami).

 

Em conjunto, estas operações produzem cerca de 2 mil toneladas de cobre por ano, ou 0,04% da produção anual do minério no país.

 

Jorge Pavletic, membro do conselho da Sonami, indicou que as minas foram fechadas pelo órgão estatal Serviço Nacional de Geologia e Mineração (Sernageomin) após o acidente da mina de San José.

 

Segundo o empresário, as pequenas minas chilenas produzem cerca de 65 mil toneladas de minério por ano, que são compradas pela empresa estatal Enami.

 

Drama

 

Os mineiros estão presos em um refúgio a 688 metros da superfície após o colapso na mina. Os 33 sobreviveram por 19 dias com uma dieta racionada de duas colheres de atum enlatado, um gole de leite e meio biscoito a cada 48 horas.

 

O único canal de comunicação com o exterior tem 15 centímetros de diâmetro. É por lá que as equipes de resgate começaram a enviar soro e rações de proteína e glicose, semelhantes às consumidas por astronautas. Dentro da mina, os mineiros contam com acesso à água e canais de ventilação.

 

O resgate será feito por uma perfuradora que abrirá caminho no solo. Andres Sougarret, chefe da operação, afirmou que o período para abrir um túnel largo o bastante para a passagem segura dos homens pode levar até quatro meses.

Tudo o que sabemos sobre:
ChileminamineirosSonemi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.