Órgãos de palestino salvam israelenses

A família de um palestino assassinado na semana passada doou os órgãos para quatro judeus e um árabe que estavam à espera de transplantes em Israel. Segundo o coordenador nacional de transplantes de órgãos, Tamar Ashkenazi, foi a primeira doação de órgãos de um palestino a israelenses desde o início da atual intifada, em 28 de setembro do ano passado.Mazen Julani, um farmacêutico de 33 anos de uma tradicional família árabe de Jerusalém Oriental, foi morto com um tiro na cabeça por um homem desconhecido que passava em um carro enquanto ele estava sentado num café. O pai de Julani, Lufti, afirmou que a família acredita que ele fora assassinado por um colono judeu. De acordo com a polícia, no entanto, o crime não foi por motivação política."O Islã não proíbe a doação de órgãos para que outras vidas sejam salvas", afirmou Lufti Julani, de 71 anos. "Então, doei os órgãos de meu filho para salvar vidas, não importando se são de judeus, cristãos ou muçulmanos, mesmo que meu filho tenha sido morto por uma bala de um colono judeu". Mazen Julani foi sepultado hoje em Jerusalém.Igal Cohen, que recebeu o coração do palestino, foi citado pelo jornal Maaravi afirmando que estava agradecido pelo ato da família e que gostaria de se encontrar com os pais e os irmãos de Mazen Juliani. "Se (este transplante) pode ajudar a trazer a paz, então fiz a minha parte", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.