Abdul Majeed/AFP
Abdul Majeed/AFP

Orgulhosa, 'universidade da jihad' no Paquistão acolhe milhares

Darul Uloom Haqqania formou alguns dos principais líderes taleban

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2020 | 06h00

AKORA KHATTAK, PAQUISTÃO - Com um largo sorriso, Maulana Yusaf Shah recita a lista de ex-alunos da "universidade da jihad" que se tornaram chefes taleban, e seus olhos brilham ao evocar suas vitórias contra potências estrangeiras nos campos de batalha afegãos. 

Da madrassa (escola corânica) Darul Uloom Haqqania, no Paquistão, vieram alguns dos principais líderes do Taleban. 

Alguns deles negociam um acordo de paz com o governo afegão em Doha desde setembro para encerrar 20 anos de guerra. 

"A Rússia foi varrida por estudantes e graduados de Darul Uloom Haqqania, e os Estados Unidos também foram destruídos. Estamos orgulhosos", diz Shah, um influente dignitário da madrasa. 

Localizada em Akora Khattak, 110 km a noroeste de Islamabad, a madrassa acolhe cerca de 4 mil alunos, que são educados, alimentados e vestidos gratuitamente. 

Milhares de paquistaneses e refugiados afegãos foram educados ali, muitos dos quais voltaram ao seu país para lutar contra os russos e depois contra os americanos, ou para proclamar a jihad, a guerra santa

Apesar de sua reputação polêmica, a escola tem contado com o apoio do Estado do Paquistão, país onde os principais partidos políticos têm laços estreitos com facções religiosas. 

Neste mês, os responsáveis pela madrassa se gabaram em um vídeo postado nas redes sociais de apoio à insurreição dos taleban no Afeganistão, atraindo críticas do governo de Cabul, que enfrenta aumento da violência no país quando os Estados Unidos se preparam para retirar suas tropas. 

Instituições como a Haqqania "geram jihadismo radical, produzem taleban e ameaçam nosso país", disse à Agência France Press Sediq Sediqqi, porta-voz do presidente afegão Ashraf Ghani. 

Para o governo afegão, o fato de o Paquistão fechar os olhos às madrassas mostra seu apoio aos taleban.

'Pai dos taleban'

Shah rejeita a ideia de que a madrassa encoraje a violência, mas defende o direito de atacar tropas estrangeiras. 

"Se uma pessoa entrar em sua casa e te ameaçar (...) sem dúvida você vai se defender com uma arma", compara. 

O ex-diretor da madrassa Sami ul-Haq gabava-se de ter aconselhado o fundador do Taleban, Mullah Omar, o que lhe valeu o apelido de "pai dos taleban". 

Depois, Haq enviou estudantes de Haqqania para lutar nas fileiras do movimento fundamentalista, quando o grupo convocou as armas na década de 1990 antes de assumir o poder em Cabul em 1996. 

A origem do nome do movimento Haqqani, que realiza as mais violentas operações dos taleban, vem justamente da escola, onde estudaram seu fundador e seus sucessores.

Vários extremistas paquistaneses, que posteriormente atacaram seu próprio país, mantiveram laços com a madrassa, incluindo o assassino da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, assassinado em 2007. 

Haqqania "está no coração de uma das redes radicais sunitas mais importantes e influentes", observa o analista Michael Semple, que afirma que parte de seus graduados afegãos podem mais tarde ocupar altos cargos dentro dos taleban.

O especialista, porém, descarta a ideia de que a madrassa seja uma "fábrica terrorista" onde os alunos recebem treinamento militar, ou que ela influencie nas opções estratégicas dos grupos armados. Sua principal contribuição para a insurreição são os laços forjados em suas salas de aula. 

As madrassas radicais receberam dinheiro na década de 1980, quando se tornaram o foco da guerra contra a URSS, uma guerra apoiada pelos Estados Unidos e pela Arábia Saudita. E, desde então, eles têm um relacionamento próximo com os serviços de inteligência do Paquistão. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.