Oriente Médio desmente proposta de Estado palestino

Jornais israelenses informaram nestedomingo que israelenses e palestinos fizeram um esboço deum potencial plano de paz que reconheceria a existência de umEstado palestino dentro de dois meses. Os detalhes seriamfinalizados mais tarde.Líderes israelenses e palestinos imediatamente desmentiram asinformações. Mas fontes confirmaram que o ministro israelensedas Relações Exteriores, Shimon Peres, e o presidente doParlamento palestino, Ahmed Qureia, debatarem as idéias.No passado, os dois negociaram em segredo os acordos de Osloentre Israel e a Organização para a Libertação da Palestina(OLP).Os jornais Yediot Ahronot e Maariv informaram que eles - comconhecimento do líder palestino Yasser Arafat e doprimeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon - chegaram a umconsenso sobre a criação de um Estado palestino independente numprazo de dois meses em áreas já sob controle da AutoridadePalestina - 42% da Cisjordânia e a maior parte da Faixa deGaza.Mais questões - Na condição de Estados, Israel e Palestina passariam então anegociar outras questões, como a expansão das fronteiras, osassentamentos judaicos, o status de Jerusalém e a questão dosrefugiados palestinos.As negociações deveriam ocorrer durante 2002. Qualquer acordoteria dois anos para ser implementado. Peres não negou a existência da proposta, mas disse não terhavido acordo. O gabinete de Sharon classificou as reportagenscomo "fantasias infundadas". Os palestinos disseram que Peresapresentou uma proposta israelense unilateral que chegou pertodas exigências palestinas, mas também disseram que não houveaceitação. Na opinião do ministro palestino da Informação, Yasser AbedRabbo, a proposta é apenas uma tentativa israelense de"embelezar a realidade da ocupação".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.