Beto Barata/PR
Beto Barata/PR

Oriente Médio será foco de Temer durante Assembleia da ONU em NY

Presidente se reunirá com líderes palestino, Mahmoud Abbas, de Israel, Benjamin Netanyahu, e do Egito, Abdel Fattah el-Sisi, e do Irã, Hassan Rohani

Cláudia Trevisan, Enviada especial /Nova York, O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2017 | 14h45

NOVA YORK - O Oriente Médio será o foco das reuniões bilaterais que o presidente Michel Temer terá em Nova York durante a Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). O brasileiro se reunirá na terça-feira com os líderes da Palestina, Mahmoud Abbas, de Israel, Benjamin Netanyahu, e do Egito, Abdel Fattah el-Sisi. No dia seguinte será a vez do iraniano Hassan Rohani.

Netanyahu acabou de visitar a América Latina, com um roteiro que excluiu o Brasil –o primeiro-ministro esteve na Colômbia, Argentina e México. O encontro será realizado na representação do Brasil na ONU. Poucas horas antes, o presidente se reunirá com Abbas na sede da ONU. O Brasil defende a criação de dois Estados para a solução do conflito Israel-Palestina.

Com Rohani, Temer deverá abordar os negócios potenciais de empresas brasileiras com o país, prejudicados pelas sanções impostas pelos Estados Unidos contra Teerã. A Embraer, por exemplo, negocia a venda 25 aviões a companhias aéreas iranianas, mas o fechamento do contrato é dificultado pelos obstáculos na obtenção de financiamento.

A chegada de Temer em Nova York está prevista para às 17h de segunda-feira (18h, horário de Brasília). Do aeroporto, ele irá diretamente para o hotel Lotte New York Palace, onde participará de jantar com o presidente americano, Donald Trump. A Venezuela será o tema central do encontro, que também terá a presença dos presidentes da Colômbia, Juan Manuel Santos, e do Panamá, Juan Carlos Varela. A Argentina será representada pela vice-presidente, Gabriela Michetti. Convidado, o líder do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, cancelou sua participação em razão da crise política que enfrenta em seu país.

Amanhã, Temer fará o discurso de abertura da Assembleia-Geral da ONU, que tradicionalmente é realizado pelo presidente do Brasil. No fim da tarde, ele será o anfitrião de encontro de líderes da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), entre os quais o primeiro-ministro de Portugal, António Costa.

Na quarta-feira, o brasileiro participa de assinatura do Tratados sobre Proibição das Armas Nucleares, aprovado em julho sem apoio dos países que detêm armas nucleares, como EUA, França, Reino Unido, China, Índia e Rússia. Para entrar em vigor, o documento precisa ser assinado por pelo menos 50 países. Até o início da tarde de segunda-feira, 26 nações anunciaram que assinariam o tratado.

No fim da manhã de quarta-feira, Temer encerra seminário com investidores promovido pelo jornal Financial Times.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.