AP Photo/Ng Han Guan
AP Photo/Ng Han Guan

Origem do coronavírus: 1º paciente veio de mercado de Wuhan, diz cientista

Revisão dos primeiros casos da doença deve reviver debate sobre como a pandemia começou; o primeiro caso conhecido de covid é provavelmente vendedora de frutos do mar

Carl Zimmer, Benjamin Mueller e Chris Buckley, The New York Times, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2021 | 19h15

PEQUIM - Um cientista que estudou atentamente os registros públicos dos primeiros casos de covid-19 na China relatou nesta quinta-feira, 18, que uma influente pesquisa da Organização Mundial da Saúde (OMS) provavelmente cometeu erros em relação à cronologia inicial da pandemia. A nova análise sugere que o primeiro paciente com coronavírus de que se tem notícia era umavendedora em um grande mercado de animais de Wuhan, não um contador que vivia a muitos quilômetros dele.

O relatório, publicado na quinta-feira na prestigiosa revista Science, vai reviver, embora certamente não resolva, o debate sobre as origens da pandemia.

A busca pelo marco zero da  maior catástrofe de saúde pública em um século alimentou batalhas geopolíticas, com poucos fatos novos surgindo nos últimos meses para resolver a questão.

O cientista Michael Worobey, da Universidade do Arizona, um dos principais especialistas em rastrear a evolução de diferentes vírus, encontrou discrepâncias na linha do tempo ao vasculhar o que já havia sido tornado público em jornais médicos, bem como entrevistas em vídeo em um meio de comunicação chinês com pessoas que, acreditava-se, foram as duas primeiras infecções documentadas.

Worobey argumenta que os laços da vendedora com o Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan, bem como uma nova análise das primeiras conexões dos pacientes hospitalizados, sugerem fortemente que a pandemia começou ali.

“Nesta cidade de 11 milhões de habitantes, metade dos primeiros casos está ligada a um lugar do tamanho de um campo de futebol”, disse Worobey. “É muito difícil explicar esse padrão se o surto não tiver começado no mercado.”

Vários especialistas, incluindo um dos investigadores da pandemia escolhidos pela Organização Mundial da Saúde, disseram que o trabalho de detetive de Worobey é sólido e que o primeiro caso conhecido de covid é provavelmente a vendedora de frutos do mar.

Mas alguns deles também disseram que as evidências ainda eram insuficientes para resolver de forma decisiva a questão maior de como a pandemia começou. Eles sugeriram que o vírus provavelmente infectou um "paciente zero" algum tempo antes do caso da vendedora e, em seguida, atingiu a massa crítica para se espalhar amplamente no mercado. Estudos de mudanças no genoma do vírus  -- incluindo um feito pelo próprio Worobey --sugeriram que a primeira infecção aconteceu em meados de novembro de 2019, semanas antes de a vendedora adoecer.

“Não discordo da análise”, disse Jesse Bloom, virologista do Fred Hutchinson Cancer Research Center. “Mas eu não acho que nenhum dos dados seja forte ou completo o suficiente para dizer qualquer coisa com muita confiança, exceto que o Mercado de Frutos do Mar de Huanan foi claramente um evento de super-propagação.”

Bloom também observou que esta não foi a primeira vez que erros foram encontrados no relatório da Organização Mundial da Saúde, elaborado em colaboração com pesquisadores chineses. 

‘O erro está aqui’

No final de dezembro de 2019, médicos de vários hospitais de Wuhan notaram casos misteriosos de pneumonia surgindo em pessoas que trabalhavam no Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan, um espaço úmido e mal ventilado onde frutos do mar, aves, carne e animais selvagens eram vendidos. Em 30 de dezembro, as autoridades de saúde pública disseram aos hospitais para relatar quaisquer novos casos vinculados ao mercado.

Temendo uma repetição da sars, que emergiu dos mercados de animais chineses em 2002, as autoridades chinesas ordenaram o fechamento do mercado de Huanan, e os policiais de Wuhan o fecharam em 1º de janeiro de 2020. Apesar dessas medidas, novos casos se multiplicaram em Wuhan.

As autoridades locais disseram em 11 de janeiro de 2020 que os casos começaram em 8 de dezembro. Em fevereiro, eles identificaram o primeiro paciente como um residente de Wuhan com o sobrenome Chen, que adoeceu em 8 de dezembro e não tinha ligação com o mercado.

As autoridades chinesas e alguns especialistas externos suspeitaram que a porcentagem inicialmente elevada de casos ligados ao mercado pudesse ter sido um golpe estatístico conhecido como viés de apuração. Eles argumentaram que o telefonema de 30 de dezembro de autoridades para relatar doenças relacionadas ao mercado pode ter levado os médicos a negligenciar outros casos sem tais vínculos.

“No início, presumimos que o mercado de frutos do mar pudesse ter o novo coronavírus”, disse Gao Fu, diretor do Centro para Controle e Prevenção de Doenças da China, em maio de 2020, de acordo com a China Global Television Network. “Mas agora descobrimos que o mercado é uma das vítimas”.

A teoria do laboratório

Em meados de 2020, membros seniores da administração Trump estavam promovendo outro cenário para a origem da pandemia: que o vírus havia escapado do Instituto de Virologia de Wuhan, que tem um campus a cerca de 13 quilômetros do mercado de Huanan, através do Rio Yangtze.

Em janeiro deste ano, pesquisadores escolhidos pela Organização Mundial da Saúde visitaram a China e entrevistaram um contador que teria desenvolvido sintomas em 8 de dezembro. Seu influente relatório de março de 2021 o descreveu como o primeiro caso conhecido da doença.

Peter Daszak, ecologista de doenças da EcoHealth Alliance que fazia parte da equipe da OMS, disse que estava convencido pela análise de Worobey de que eles estavam errados.

A equipe da OMS nunca perguntou ao contador a data em que seus sintomas começaram, disse ele. Em vez disso, eles receberam a data de 8 de dezembro por médicos do Hospital Hubei Xinhua, que cuidou de outros casos iniciais, mas não se importou com Chen. “Portanto, o erro está aí”, disse Daszak.

Para os especialistas da OMS, disse Daszak, a entrevista foi um beco sem saída: o contador não tinha ligações aparentes com um mercado de animais, laboratório ou aglomeração. Ele disse que gostava de passar o tempo na Internet e correr, e que não viajava muito. “Ele era o mais pacato que você poderia imaginar”, disse Daszak.

Se a equipe tivesse identificado a vendedora de frutos do mar como o primeiro caso conhecido, disse Daszak, teria feito perguntas mais agressivas como em que barraca ela trabalhava e de onde vinham seus produtos.

Este ano, Daszak foi um dos maiores críticos da teoria do vazamento em laboratório. Ele e sua organização, EcoHealth Alliance, aceitaram colaborações de pesquisa com o Wuhan Institute of Virology. No mês passado, o National Institutes of Health disse que a EcoHealth violou os termos e condições de sua concessão para pesquisas sobre coronavírus em morcegos.

Enquanto os médicos do Hospital Hubei Xinhua disseram que o início da doença do contador havia ocorrido em 8 de dezembro, um médico sênior do Hospital Central de Wuhan, onde Chen foi tratado, disse a um meio de notícias chinês que ele desenvolveu sintomas por volta de 16 de dezembro.

Questionada sobre o caso de Chen, a Comissão Nacional de Saúde da China disse que apoia os comentários feitos por Liang Wannian, o líder do lado chinês da investigação da OMS, que conduziu a entrevista com os médicos do Hubei Xinhua Hospital. Liang disse em uma entrevista coletiva em fevereiro deste ano que o primeiro caso da covid apresentou sintomas em 8 de dezembro e "não estava conectado" ao mercado de Huanan.

Erros e inconsistências

Em seu relatório, os especialistas da OMS concluíram que o vírus provavelmente se espalhou para as pessoas a partir de animais, mas eles não puderam confirmar se o mercado de Huanan era a fonte. Em contraste, eles disseram que um vazamento de laboratório era "extremamente improvável".

O relatório foi criticado por vários erros e deficiências. O Washington Post revelou em julho que o relatório listava as amostras virais erradas de vários dos primeiros pacientes -- incluindo o primeiro caso oficial -- e vinculava erroneamente o primeiro grupo familiar de casos ao mercado de Huanan. A OMS prometeu consertar os erros, mas eles permanecem no relatório disponibilizado no site da organização. (A organização disse que perguntaria aos autores do relatório se e como eles corrigiram os erros.)

Em maio, dois meses após a publicação do relatório da OMS e da China, 18 cientistas proeminentes, incluindo Worobey, responderam ao documento com uma carta publicada na Science, reclamando que a equipe deu pouca atenção à teoria do vazamento em laboratório. Muito mais pesquisas eram necessárias, eles argumentaram, para determinar se uma explicação era mais provável do que a outra.

Um especialista nas origens da gripe e do HIV, Worobey tentou reunir os primeiros dias da pandemia de covid. Lendo um estudo de maio de 2020 sobre os primeiros casos, escrito por médicos locais e autoridades de saúde em Wuhan, ele ficou intrigado ao ver uma descrição que parecia a de Chen: um homem de 41 anos sem contato com o mercado de Huanan. Mas os autores do estudo dataram seus sintomas em 16 de dezembro, não em 8 de dezembro.  

Então Worobey encontrou o que parecia ser uma segunda fonte independente para a data posterior: o próprio Chen.

“Tive febre no dia 16, durante o dia”, disse um homem identificado como Chen em uma entrevista em vídeo em março de 2020 para o The Paper, uma publicação com sede em Xangai. O vídeo indica que Chen é um homem de 41 anos que trabalhou no escritório financeiro de uma empresa e nunca foi ao mercado de Huanan. Relatórios oficiais diziam que ele morava no distrito de Wuchang, em Wuhan, a quilômetros do mercado.

O New York Times não conseguiu confirmar de forma independente a identidade do homem no vídeo.

Junto com a febre em 16 de dezembro, Chen disse que sentiu um aperto no peito e foi ao hospital naquele dia. “Mesmo sem nenhum exercício extenuante, com apenas um pouquinho de esforço, como a maneira como estou falando com você agora, eu sentiria falta de ar”, disse ele.

Worobey disse que os registros médicos mostrados no vídeo podem conter pistas de como o relatório da OMS-China acabou com a data errada. Uma página descreveu a cirurgia que Chen precisava para remover os dentes. Outra foi uma prescrição de antibióticos em 9 de dezembro, referindo-se a uma febre do dia anterior - possivelmente o dia da cirurgia dentária.

O Washington Post observou em julho que os detalhes fornecidos pela OMS para o caso de 8 de dezembro pareciam se encaixar melhor com uma entrada de um banco de dados online de amostras virais vinculadas a alguém que ficou doente em 16 de dezembro. Em resposta, a OMS disse que estava examinando a discrepância.

Um porta-voz da agência disse ao The New York Times que seria “difícil comentar” sobre o primeiro caso conhecido porque a equipe teve acesso limitado aos dados de saúde. Ele disse que é importante que os investigadores continuem procurando pacientes infectados ainda mais cedo.

Links obscuros

Na cronologia revisada de Worobey, o caso mais antigo não é o de Chen, mas da vendedora de frutos do mar, uma mulher chamada Wei Guixian, que desenvolveu sintomas por volta de 11 de dezembro. (Wei disse no mesmo vídeo publicado pelo The Paper que os sintomas começaram em 11 de dezembro, e ela disse ao The Wall Street Journal que começou a se sentir mal em 10 de dezembro. O relatório da OMS-China listou um caso de 11 de dezembro relacionado ao mercado.)

Worobey descobriu que os hospitais relataram mais de uma dúzia de casos prováveis antes de 30 de dezembro, o dia em que as autoridades de Wuhan alertaram os médicos para estarem atentos a ligações com o mercado.

Ele determinou que o Hospital Central de Wuhan e o Hospital Hubei Xinhua reconheceram, cada um, sete casos de pneumonia inexplicada antes de 30 de dezembro, que seriam posteriormente confirmados como covid-19. Em cada hospital, quatro em cada sete casos estavam vinculados ao mercado.

Ao se concentrar apenas nesses casos, argumentou Worobey, ele poderia descartar a possibilidade de que o viés da apuração distorceu os resultados em favor do mercado.

Ainda assim, outros cientistas disseram que não é nada certo que a pandemia tenha começado no mercado.

“Ele fez um excelente trabalho reconstruindo o que pôde com os dados disponíveis e é uma hipótese tão razoável quanto qualquer outra”, disse W. Ian Lipkin, virologista da Escola Mailman de Saúde Pública da Universidade de Columbia. “Mas acho que nunca saberemos o que está acontecendo, porque foi há dois anos e ainda está obscuro.”

Alina Chan, uma pós-doutoranda no Broad Institute em Cambridge, Massachusetts, e uma das mais ativas defensoras da investigação de um vazamento de laboratório, disse que apenas novos detalhes sobre casos anteriores -- que remontam a novembro -- ajudariam os cientistas a rastrear a origem.

“O principal problema que isso aponta”, disse ela, “é que há falta de acesso aos dados e erros no relatório da OMS com a China”  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.