Ortega é reeleito líder da Frente Sandinista

O ex-presidente nicaragüense (1984-1990) Daniel Ortega foi eleito, nesta segunda-feira, mais uma vez, secretário-geral do partido opositor Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN). Ortega obteve seu quarto mandato como secretário-geral do maior partido de esquerda da América Central na madrugada desta segunda-feira, no final de um congresso da FSLN iniciado no sábado, do qual participaram 600 delegados de todo o país. Junto com Ortega, foi reeleito como vice-secretário-geral da FSLN Tomás Borge, veterano ex-guerrilheiro de 71 anos, e ex-ministro do Interior do regime sandinista nos anos 80. Borge é o único sobrevivente do grupo de jovens pró-cubanos que em 1961 fundaram o movimento sandinista com o objetivo de derrubar a ditadura de Anastasio Somoza - o que que conseguiram em 1979. Mas, se não houve mudanças na cúpula principal do partido sandinista, o congresso da FSLN aprovou uma iniciativa de caráter histórico: a eliminação do famoso Diretório Nacional sandinista, integrado por nove membros, que foi um verdadeiro governo colegiado durante o regime revolucionário. Dos nove membros originais do famoso Diretório Nacional da FSLN, um deles morreu de câncer em 1990, e outros cinco abandonaram as fileiras sandinistas para se dedicarem a ser críticos de seus antigos companheiros ou simplesmente para se afastarem da política.Além de Daniel Ortega e de Tomás Borge, dos nove membros originas do diretório sandinista só continua militando na FSLN o jornalista e ex-guerrilheiro Bayardo Arce. Os três são atualmente deputados, após os sandinistas perderem as terceiras eleições gerais consecutivas em novembro passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.