Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
One Free Press Coalition
One Free Press Coalition

Os 10 casos mais urgentes de crimes e ameaças contra jornalistas no mundo

'Estadão' publica mensalmente lista em parceria com a 'One Free Press Coalition'; confira as ocorrências denunciadas em maio

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2021 | 05h00

Estadão faz parte da One Free Press Coalition, iniciativa entre jornais e veículos de comunicação do mundo todo para denunciar crimes e ameaças contra jornalistas. A missão é usar as vozes coletivas de seus membros, que alcançam mais de 1 bilhão de pessoas, para defender os jornalistas que estão sendo atacados por buscar a verdade.

Além do Estadão, fazem parte da One Free Press Coalition importantes veículos internacionais como os jornais Financial Times, The Boston Globe, Corriere della Sera, Süddeutsche Zeitung, Le Temps e De Standaard; os portais HuffPost, EURACTIV e Yahoo News; as revistas Forbes, Fortune, Time e Republik, as agências de notícias The Associated Press e Reuters; e as emissoras de televisão CNN Money Switzerland e Deutsche Welle.

Confira os 10 casos mais urgentes de crimes e ameaças contra jornalistas no mundo destacados pela coalizão no mês de maio:

1. Ibraimo Abú Mbaruco (Moçambique)

Repórter de rádio e defensor dos direitos humanos está desaparecido há mais de um ano, enquanto conflito aumenta na região. Família e amigos não têm informações sobre Mbaruco desde quando o jornalista enviou uma mensagem de socorro dizendo que estava "cercado por soldados."

2. Kasra Nouri (Irã)

Jornalista cumprindo pena de 12 anos devido à cobertura de protestos religiosos em 2018. Nouri passou um tempo significativo em confinamento solitário, foi transferido várias vezes e sua família atualmente não consegue se comunicar com ele.

3. Pham Chi Dung (Vietnã)

Repórter freelancer e presidente fundador de uma organização da sociedade civil que defende a liberdade de imprensa está cumprindo uma sentença de 15 anos de prisão após pedir à UE que adie acordos comerciais até que o Vietnã melhore seu histórico de direitos humanos.

4. Ahmed Humaidan (Bahrein)

Fotógrafo que cobria protestos no Bahrein foi preso enquanto documentava manifestantes atacando uma delegacia de polícia em 2012 e condenado a dez anos de prisão em 2014. Recentemente, ele contraiu covid-19 enquanto estava preso.

5. Esraa Abdelfattah (Egito)

Blogueira de longa data, jornalista e ativista que reporta sobre direitos humanos está detida desde 2019 por acusações de difundir notícias falsas e declarações anti-Estado, e teve sua prisão preventiva prorrogada. Ela fez greves de fome várias vezes para protestar contra sua sentença e tratamento.

6. Leonardo Sakamoto e a equipe da Repórter Brasil (Brasil)

Leonardo Sakamoto é o presidente da Repórter Brasil, uma organização de reportagem investigativa, com foco em questões que vão do tráfico de pessoas aos direitos dos trabalhadores e à degradação ambiental. O veículo enfrentou ataques online, tentativas de invasão da sede e ameaças anônimas.

7. Sandhya Ravishankar (Índia)

Jornalista freelancer que cobre eleições, política e corrupção, incluindo a máfia de areia de Tamil Nadu e mineração de areia de praia, enfrentou anos de ameaças e assédio, incluindo ameaças de morte e estupro, doxing e uma tentativa de sabotar sua motocicleta em 2018.

8. Agnieszka Pikulicka (Uzbequistão)

Correspondente autônoma ameaçada publicamente pelo Ministério do Interior do Uzbequistão com possíveis processos judiciais em relação a sua reportagem sobre o ataque a um ativista LGBT.

9. Katsiaryna Barysevich (Belarus)

A correspondente do site de notícias independente Tut.by foi condenada no início deste ano a seis meses atrás das grades por sua cobertura dos protestos em Belarus em 2020.

10. Daria Komarova (Rússia)

A jornalista russa da Radio Free Europe / Radio Liberty foi submetida a três julgamentos por sua cobertura de protestos pró-Navalni, enfrentando multas e detenção administrativa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.