EFE/EPA/Chris Kleponis / POOL
EFE/EPA/Chris Kleponis / POOL

Os bastidores da teimosia de Trump para reverter o resultado da eleição

Os 20 dias entre a votação de 3 de novembro e o início da transição de Joe Biden são um retrato da vida na Casa Branca na Era Donald Trump

Philip Rucker, Ashley Parker / THE WASHINGTON POST, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2020 | 05h00

 

WASHINGTON - Os fatos eram indiscutíveis: o presidente Donald Trump havia perdido as eleições. Mas Trump se recusou a ver dessa forma. Isolado na Casa Branca e ruminando longe da vista do público após sua derrota nas eleições, furioso e às vezes delirante em uma torrente de conversas privadas, Trump estava, conforme relata um conselheiro próximo, como “George, o rei louco, resmungando, ‘Eu venci. Eu venci. Eu venci.’”

Por mais alertas que os assessores de Trump possam ter dado sobre sua derrota para o presidente eleito Joe Biden, muitos deles o encorajaram a continuar lutando com processos judiciais. Eles ficaram “felizes em alimentar essa coceira”, disse um conselheiro ouvido pelo Washington Post. “Se ele pensa que ganhou, é como,‘ Shh. . . não vamos contar a ele.’”

O Washington Post entrevistou 32 altos funcionários do governo Trump, assessores de campanha e outros assessores do presidente, bem como outras figuras-chave em sua batalha jurídica, muitos das quais falaram sob condição de anonimato.

O relato dos 20 dias entre a eleição de 3 de novembro e o sinal verde da transição de Biden exemplificam algumas das marcas da vida na Casa Branca na era Trump: um governo paralisado pelo frágil estado emocional do presidente; conselheiros alimentando suas fábulas; brigas carregadas de palavrões entre facções de assessores e conselheiros; e uma perniciosa mistura de verdade e fantasia.

O resultado foi um período pós-eleitoral sem precedentes na história dos EUA. Com sua negação do resultado, apesar de uma série de derrotas em tribunais pelo país, Trump colocou em risco a democracia dos EUA, ameaçou minar a segurança nacional e a saúde pública e enganou milhões de seus apoiadores ao fazê-los acreditar, talvez permanentemente, que Biden foi eleito de forma ilegítima.

As alegações de Trump e a hostilidade de sua retórica – e seu poder singular de persuadir e galvanizar seus seguidores – geraram uma pressão extraordinária sobre os funcionários eleitorais estaduais e locais para lidar com suas alegações de fraude e tomar medidas para bloquear a certificação dos resultados da eleição. Quando alguns deles se recusaram, tiveram de receber reforço de segurança para proteção contra as ameaças que estavam recebendo.

“Foi como um rastilho de pólvora”, disse o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger. Apesar de ser um republicano que votou em Trump, Raffensperger disse que recusou as repetidas tentativas dos aliados de Trump de fazê-lo cruzar os limites éticos. “Eu não acho que tive escolha. Meu trabalho é seguir a lei. Não vamos ser empurrados para fora dela fazendo isso. Integridade ainda é importante.”

Ao mesmo tempo, Trump abdicou amplamente das responsabilidades do seu trabalho, o principal deles gerenciar uma pandemia de coronavírus enquanto o número de infecções e mortes disparava em todo o país. Em uma reviravolta irônica, o conselheiro de Trump escolhido para coordenar a campanha legal e de comunicações pós-eleitoral, David Bossie, testou positivo para o vírus e foi afastado.

Apenas em 23 de novembro Trump, relutantemente, concordou em iniciar uma transferência pacífica de poder, permitindo que o governo federal começasse oficialmente a transição de Biden – ainda assim, ele protestou dizendo que era o verdadeiro vencedor.

Embora Trump tenha falhado em sua tentativa de roubar a eleição, sua batalha de semanas conseguiu minar a fé nas eleições e a legitimidade da vitória de Biden.

Nos dias após a votação, enquanto Trump lutava para escapar da realidade, o presidente praticamente ignorou sua equipe de campanha e os advogados que o orientaram durante o julgamento de impeachment, bem como o seu exército original de advogados.

Em vez disso, Trump empoderou os seus leais escudeiros, que estavam dispostos a dizer o que ele queria ouvir: que teria uma vitória esmagadora se a eleição não tivesse sido fraudada e roubada. E então sacrificar suas reputações travando uma campanha nos tribunais e na mídia para convencer o público dessa ilusão.

O esforço culminou em 19 de novembro, quando os advogados Rudolph Giuliani, Jenna Ellis e Sidney Powell falaram em nome do presidente na sede do Comitê Nacional Republicano para alegar uma “conspiração de longo alcance e coordenada para roubar a eleição” para Joe Biden. Não havia nenhuma evidência para apoiar qualquer uma dessas alegações.

“Não apenas nossas instituições se mantiveram intactas, mas o esforço de um presidente para reverter o veredicto do povo na história americana realmente não levou a lugar nenhum”, disse William Galston, presidente do programa de estudos de governança do Brookings Institution. “Não é que ficou aquém. Não chegou a lugar nenhum. Isso, para mim, é notável.”

A transformação de Trump em um presidente que estimulou a descrença nos resultados começou na noite da eleição na Casa Branca, onde se juntou ao gerente de campanha Bill Stepien, aos conselheiros Jared Kushner e Jason Miller e a outros assessores importantes em uma “sala de guerra” improvisada para monitorar os retornos da eleição. 

Seis meses antes da eleição, Trump lançou as bases para acusar a eleição de ter sido “fraudada”, como costumava chamá-la, alertando sobre uma fraude generalizada. 

Em junho, durante uma reunião no Salão Oval com conselheiros políticos e consultores externos, Trump levantou a possibilidade de processar os governos estaduais pela forma como administram as eleições e disse que não podia acreditar que eles tinham permissão para mudar as regras. Todos os Estados, disse ele, devem seguir as mesmas regras. Assessores disseram que ele não iria querer que o governo federal comandasse as eleições.  

“Você realmente tem que entender a psicologia de Trump”, disse Anthony Scaramucci, um antigo aliado dele e ex-diretor de comunicações da Casa Branca que se afastou do presidente. “Os sintomas clássicos de alguém como ele é que tem de haver uma conspiração. Não são minhas deficiências, mas há uma cabala contra mim. É por isso que ele é afeito a essas teorias da conspiração”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.