Os boatos sobre Carla Bruni

Rumores de que a mulher do presidente francês teria um caso extraconjugal ganham dimensão política

GILLES LAPOUGE, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2010 | 00h00

Há algumas semanas, surgiu um boato em Londres que incendiou a internet. Carla Bruni, mulher do presidente francês, Nicolas Sarkozy, tinha um caso com o cantor Benjamin Biolay. Para saber notícias do coração de Carla, seria preciso ler a imprensa britânica, italiana ou suíça. A discrição da imprensa francesa era louvável com um boato tão incrível. A história foi se juntar ao vasto "cemitério de boatos mortos". Mas agora, abre-se um novo capítulo: é preciso encontrar os responsáveis.

Uma hipótese foi rapidamente desmentida. A história teria sido espalhada pela ex-ministra da Justiça de Sarkozy Rachida Dati. De fato, ela acaba de cair em desgraça. Tinha à sua disposição um automóvel funcional e escolta policial. Ambos os privilégios lhe foram retirados por ordem do Palácio do Eliseu. Indignada, Rachida desmentiu tudo. E pretende processar os que lhe atribuem a responsabilidade pelos boatos. Agora, o caso assumiu uma dimensão política. Principalmente neste momento em que a autoridade de Sarkozy vacila.

Rachida aplicava cegamente as instruções de Sarkozy, mas acabou por desagradá-lo. Gastava descontroladamente e participava de eventos mundanos. Resultado: foi ejetada. Os boatos fizeram transbordar o vaso. Por isso, perdeu seus privilégios. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

É CORRESPONDENTE EM PARIS at@attglobal.net

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.