Os EUA deviam ter espionado seus aliados?

Sim A notícia da bisbilhotice da NSA envolvendo líderes mundiais dá ricos ensinamentos. Ela mostra o lado oculto das relações internacionais. Espionar outros governos - incluindo amigos e aliados - é um pilar da política externa moderna e uma ferramenta vital para proteger um país contra ameaças. Como diz o ditado, os amigos de hoje podem ser os inimigos de amanhã.

GABRIEL MARCELLA, WILLIAM MCILHENNY, GABRIEL MARCELLA, WILLIAM MCILHENNY, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2014 | 02h03

Realmente não sabemos que informações foram coletadas, mas isso causou um rebuliço em várias capitais amigas dos EUA. A presidente brasileira, Dilma Rousseff, cancelou uma muito aguardada visita de Estado a Washington em razão das revelações de Edward Snowden, alegando que a espionagem da NSA era um ataque "à soberania e aos direitos do povo brasileiro".

Devemos acreditar na surpresa desses líderes? Bernard Squarcino, ex-chefe dos serviços de inteligência da França, não se deixou enganar. "Estou admirado com essa inocência desconcertante. O serviço de inteligência francês sabe perfeitamente que todos os países, sejam eles aliados ou não, espionam-se mutuamente o tempo todo", disse Squarcino ao Figaro. O ex-chanceler francês Bernard Kouchner lamentou as revelações. "Não temos os mesmos meios que os EUA, o que nos deixa enciumados."

Se todo mundo espiona, o que pode explicar o furor sobre os vazamentos de Edward Snowden? As democracias devem prestar contas a seus eleitores e os governos precisam reagir com firmeza às ofensas a sua soberania, especialmente se elas expõem vulnerabilidades de segurança. No caso do Brasil, Dilma estava enfrentando uma situação delicada na política doméstica: as manifestações de rua em junho salientaram a queda abrupta de sua popularidade.

Agir com determinação em assuntos externos foi, portanto, politicamente vantajoso. De mais a mais, assumir a liderança em um problema internacional emergente, como a segurança da informação, aumenta o prestígio global do Brasil. Mas algumas semanas depois da indignação de Dilma com a espionagem, revelou-se que o Brasil também espionara diplomatas estrangeiros, mas com tecnologia inferior à da NSA. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

É PESQUISADOR DO US ARMY COLLEGE

Não O dever dos governos é proteger suas nações contra ameaças externas e, para isso, um bom serviço de inteligência é importante. Embora espionar os inimigos não seja algo particularmente controverso, as coisas complicam quando operações de inteligência clandestinas têm como alvo amigos e parceiros. É preciso ponderar cuidadosamente os benefícios e os possíveis danos dessa atividade. A crise causada pelas revelações feitas por Edward Snowden mostra por que a espionagem irrestrita de países parceiros pode ser uma péssima ideia, salvo se impelida por necessidades imperiosas de segurança nacional.

Não surpreende que a confiança tenha sido a maior vítima quando Snowden revelou que conversas particulares da chanceler alemã, Angela Merkel, da presidente do Brasil, Dilma Rousseff, do presidente mexicano, Enrique Peña, e outros líderes, foram rastreadas. A reação do governo mexicano foi sóbria (mas direta) através dos canais bilaterais. O caso do Brasil é mais problemático, porque a relação oficial não é tão estreita.

Muitos integrantes da atual liderança brasileira não consideram os EUA um país amigo, ao passo que, para muitas autoridades americanas, o Brasil adota uma estratégia ultrapassada, de soma zero. Essas avaliações já são obstáculos que precisam ser superados e as revelações de espionagem não melhoram a situação. O Brasil é uma das maiores democracias multiétnicas do mundo e seus valores e perspectivas sociais são predominantemente ocidentais. À medida que sua economia se abre de modo a permitir o crescimento e apoiar os ganhos no terreno da igualdade social, seus interesses cada vez mais coincidem com os dos EUA. Está cada vez mais claro que o Brasil será um elemento importante, cuja parceria os EUA necessitam.

As vozes no Brasil que se opõem a uma maior cooperação bilateral se fortaleceram, em detrimento de ambos os governos. Os vazamentos corroeram a confiança do mundo nos EUA, prejudicando inúmeros dos nossos interesses. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É PESQUISADOR DO GERMAN MARSHALL FUND. A ÍNTEGRA DOS ARTIGOS DOS DOIS COLABORADORES DA 'AMERICAS SOCIETY' SERÁ PUBLICADA NA REVISTA 'AMERICAS QUARTELY' EM FEVEREIRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.