Os presos políticos na era bolivariana

Pergunte às autoridades bolivianas sobre os presos políticos e prepare-se para a resposta padrão: "No hay". Assim afirma o governo de Evo Morales, líder eleito e reeleito por maiorias expressivas, em eleições democráticas e abertas. Portanto, todos os detentos bolivianos são apenas presos comuns e ponto final.

É CORRESPONDENTE DA REVISTA NEWSWEEK NO BRASIL, COLUNISTA DO ESTADO, EDITA O SITE WWW.BRAZILINFOCUS.COMMAC MARGOLIS, É CORRESPONDENTE DA REVISTA NEWSWEEK NO BRASIL, COLUNISTA DO ESTADO, EDITA O SITE WWW.BRAZILINFOCUS.COMMAC MARGOLIS, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2011 | 03h02

Mas a democracia na era de Evo, franqueada ao "socialismo do século 21", do pacto bolivariano de Hugo Chávez, sempre foi um pouco diferente. Considere o caso do ex-presidente do Banco Central, Juan Antonio Morales.

Morales, que não tem parentesco com o presidente, está em regime de prisão domiciliar. Desde 7 de setembro, só sai de sua casa em La Paz com ordem expressa do juiz. Seu delito? Bem, aí o enredo se perde nas brumas dos Andes. Mas, em suas peculiares entrelinhas, surge o desenho mais fiel e preocupante da democracia disfuncional bolivariana. Primeiro, porém, uma nota biográfica.

Juan Antonio Morales presidiu o Banco Central da Bolívia de 1995 a 2006. Tornou-se não só decano dos banqueiros centrais da América Latina, senão um pilar de estabilidade e lisura em um país desacostumado a ambas. Em seus 11 anos à frente do BC, viu nove ministros da Fazenda da Bolívia.

Armínio Fraga o considera um profissional "muito respeitado". Entre os bolivianos, é tido como "o economista mais importante do país". Foi protagonista da estabilidade econômica da Bolívia, outrora país recordista em hiperinflação na América Latina.

Nos anos 80, paguei a diária de hotel com uma maleta de pesos e já vi camponeses no Chapare pesando tijolos de cédulas na balança, em vez de contá-los. Ao final do mandato de Juan Antonio no BC, a inflação boliviana caíra para 5% ao ano. Pelo conjunto da obra, em 2005, foi indicado banqueiro central do ano pela Emerging Markets, respeitada publicação que circula nas cúpulas do Banco Central e do Fundo Monetário Internacional.

Agora ao prontuário. Contra o ex-servidor Morales, não há até o momento nenhuma ação penal formal, apenas a vaga e danosa acusação de corrupção, pois teria embolsado um abono "ilegal" de 6,4 mil bolivianos (US$ 1 mil à época) por mês acima do salário base de 30 mil bolivianos (US$ 5 mil). De irregular, não tinha nada. Na inflacionária década de 90, o abono era a arma que o governo dispunha para manter seus melhores quadros, sempre tentados pelos salários da iniciativa privada. Mas, com a nova Lei Quiroga Santa Cruz, que passou em 2010 pelo rolo compressor de Evo, o abono legal virou sinônimo de ganância e Juan Antonio Morales, de corrupto.

Como os valores supostamente surrupiados são pífios, ultimamente a fiscalização de Evo também acrescentou outra acusação mais grave, desenterrando um caso há muito já solucionado. Foi o empréstimo do BC ao Citibank para o resgate do Banco Hipotecário boliviano. A operação foi um sucesso. O banco foi salvo e o empréstimo, de US$ 43 milhões, quitado, quatro anos antes do prazo. Mas, pelo retrovisor de Evo, foi trambique, um crime de "lesa-pátria".

Eis a alquimia invertida bolivariana. Transforma ato lícito em corrupção e zelo administrativo em atentado contra povo e nação. Como seriam crimes contra o Estado, jamais prescrevem, dando aos mandatários superpoderes de reinventar o passado e converter desafetos em criminosos. Tudo com o verniz da Justiça, instituição tocada ao sabor do Executivo.

Hoje, quatro ex-presidentes respondem a ações penais. Leopoldo Fernández, ex-governador de Pando, está há três anos na prisão, embora jamais tenha sido condenado a crime algum. Idem para o alto comando das Forças Armadas do ex-presidente Gonzalo Sánchez de Lozada.

Em comum com Juan Antonio Morales, eles cometeram dois erros imperdoáveis. Todos serviram governos anteriores ao de Evo e possuem ideias próprias, o suficiente para os transformarem em inimigos de Evo e, portanto, do Estado. Tudo em um país sem presos políticos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.