The Baltimore Sun via AP
The Baltimore Sun via AP

Os segredos das mansões da URSS que Obama tirou dos diplomatas russos

Foi a primeira vez que o governo dos EUA afirmou de forma tão contundente que pessoal russo usou para 'atividades de inteligência' as casas de Nova York e Maryland

O Estado de S. Paulo

30 Dezembro 2016 | 19h14

WASHINGTON - Propriedade do governo russo desde os tempos da União Soviética (URSS), as luxuosas mansões de Maryland e Nova York fechadas pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, acolheram durante anos as festas e banquetes dos diplomatas russos, que agora terão de abandoná-las devido às sanções impostas na quinta-feira.

As mansões estavam sendo usadas pelo Kremlin para supostas atividades de espionagem, o que representa um "desafio direto à segurança dos Estados Unidos", asseguraram em entrevista à imprensa vários funcionários do governo americano que falaram sob condição de anonimato.

Foi a primeira vez que o governo dos EUA afirmou de forma tão contundente que pessoal russo usou para "atividades de inteligência" as casas de Nova York e Maryland, retratadas pelos funcionários americanos como um ninho de espiões onde os russos podiam conspirar longe da vigilância de Washington.

No entanto, os funcionários dos EUA não esclarecerem que papel essas propriedades exerceram nos ataques cibernéticos que agentes russos supostamente executaram durante a campanha presidencial americana a fim de prejudicar a democrata Hillary Clinton e favorecer o republicano Donald Trump.

Obama deu aos diplomatas russos um prazo até hoje para deixar suas propriedades, uma ordem que faz parte do pacote de sanções anunciado pelo governo.

As mansões de Nova York e Maryland, adquiridas pela União Soviética na década de 1950 e 1970, respectivamente, foram desde sempre protagonistas dos rumores dos vizinhos.

De fato, em plena Guerra Fria, alguns moradores de Maryland se opuseram à compra do edifício por parte dos soviéticos e afirmaram a um jornal local que sentiam "temor que submarinos nucleares emergissem do Rio Chester", próximo da propriedade, para "coletar segredos e traidores americanos".

Com o tempo, os russos ganharam até os vizinhos mais céticos e conseguiram se acomodar em seu centro de férias, situado em Pioneer Point, uma península na qual se fundem os rios Córsega e Chester e onde durante anos puderam tomar banhos de vapor, nadar e até disputar partidas de tênis.

Em artigo publicado em 1974, o jornal New York Times retratou a doce relação entre os moradores de Maryland e os russos, que tinham surpreendido os locais com sua excelente educação e seus presentes de vodca e caviar.

"Eles me trataram de maneira maravilhosa", contava ao Times Joe Handley, um morador de 75 anos que a princípio se opôs a que os russos comprassem a mansão.

Desde que Obama anunciou as sanções, a única rede de televisão que pôde obter imagens da mansão de Maryland foi a estação WUSA 9, que de um helicóptero mostrou as paredes de tijolo e as múltiplas chaminés da casa, assim como seu alpendre central de cor branca e adornado com várias colunas.

As imagens mostram uma casa descuidada e aparentemente vazia, afastada do esplendor dos dias nos quais pertenceu a John J. Raskob (1879-1950), um dos fundadores da General Motors e famoso por ser uma das pessoas que financiou a construção do icônico Empire State Building de Nova York.

As duas propriedades russas se mantiveram até quinta-feira afastadas do foco das câmaras, embora em 1982 funcionários do governo de Ronald Reagan já tenham acusado o Executivo russo de usar a mansão de Nova York, situada em Long Island, para espionar as indústrias de defesa e tecnologia da ilha.

Segundo um antigo folheto, a mansão de Nova York, conhecida como Killenworth, é de estilo neotudor e simula um palacete com diferentes elementos rústicos como solos de madeira, embora no momento de sua compra pelos soviéticos já contasse com uma piscina, uma quadra de tênis e diferentes jardins.

Segundo os arquivos da Biblioteca do Congresso, a casa é a residência da delegação russa nas Nações Unidas, mas funcionários do governo dos EUA disseram ao Times que atualmente a propriedade está desocupada e está sendo protegida por poucos guardas de segurança.

O fechamento das mansões, previsto para ontem, materializará as difíceis atuais relações entre EUA e Rússia.

Com o eco dos enfrentamentos da Guerra Fria, Washington e Moscou viveram nos últimos anos vários atritos pelo conflito na Ucrânia, o apoio de Moscou ao presidente sírio, Bashar Assad, e o asilo que a Rússia outorgou ao ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional (NSA), Edward Snowden. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Rússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.