OSCE diz que eleição na Ucrânia é legítima

A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), o principal grupo de monitoração para eleição presidencial na Ucrânia, disse que a votação no país pode ser "caracterizada por uma elevada taxa de participação e pela determinação clara das autoridades em realizar uma eleição genuína", em linha, na maioria da vezes, com os compromissos internacionais e com respeito pela liberdades fundamentais, na grande maioria do país.

AE, Agência Estado

26 Maio 2014 | 10h33

O grupo teve mil observadores no país durante a votação e disse, em uma análise preliminar divulgada nesta segunda-feira, que o processo ocorreu bem em 98% dos postos eleitorais analisadas, com uma participação de cerca de 60%. "O processo de votação e de contagem foi ordenado e bem organizado na maioria das mesas de votação observadas, com apenas problemas processuais menores observados," disse o relatório.

O grupo relatou dificuldades nas regiões de Donetsk e Luhansk, no leste da Ucrânia, onde grupos pró-Rússia tomaram prédios do governo e realizaram referendos, no qual buscaram se separar da Ucrânia. A votação não ocorreu na Crimeia, que foi anexada pela Rússia.

A OSCE disse que comissões eleitorais locais foram fechadas por grupos armados nessas áreas. Além disso, foram relatadas intimidação das autoridades eleitorais, incluindo sequestros, ameaças de morte e entrada forçada em casas particulares. O representante de um candidato foi baleado, acrescentou o relatório.

No geral, a votação não ocorreu em 10 dos 12 distritos eleitorais em Luhansk e em 14 de 22 em Donetsk, afirmou a OSCE. Essa foi uma parcela relativamente pequena dos distritos eleitorais entre os mais de 200 em todo o país. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Eleições na Ucrânia Ucrânia Donetsk

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.