OSCE diz que separatistas ganharam terreno na Ucrânia

O secretário-geral da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE, na sigla em inglês), Lamberto Zannier, afirmou que os drones do grupo que monitoram a atividade militar no leste da Ucrânia foram atacados e bloqueados. Além disso, separatistas apoiados pela Rússia vêm ganhando terreno nas últimas semanas, segundo Zannier. As informações destacam a deterioração da situação na área.

Estadão Conteúdo

12 Novembro 2014 | 13h09

"Embora nosso objetivo seja tentar agir para consolidar o cessar-fogo, isso está cada vez mais apenas no papel", disse Zannier. "O fluxo de armamentos na região pode levar a outra onda de confrontos abertos", acrescentou.

Zannier está em Bruxelas esta semana para se reunir com autoridades da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para tratar da situação na Ucrânia. A OSCE relatou que ontem um comboio de 43 veículos militares se dirigia para o centro de Donetsk, aparentemente em uma incursão russa.

A OSCE, cujos 57 membros incluem EUA e Rússia, assim como muitos países europeus, é a principal organização monitorando as atividades no leste da Ucrânia. Atualmente o grupo tem 261 observadores em território ucraniano, 112 deles no leste.

Os drones usados pela OSCE estavam parados há alguns dias, pois os sistemas de informação contidos neles haviam sido bloqueados. A empresa que opera os drones afirmou que a ação é altamente sofisticada. "Disseram que é um bloqueio de alto nível e especificação militar, então não foi trabalho de amadores", afirmou Zannier.

Como resultado, a OSCE vem tendo dificuldades para saber o que está acontecendo em cidades importantes, como Mariupol. "Nós ficamos cegos ali. Nós sabemos que há bombardeios, que há pressão militar na área, mas não temos acesso", disse Zannier. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.