OSCE enviará missão de monitoramente para Ucrânia

A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) decidiu na sexta-feira levar uma missão especial de monitoramento com observadores internacionais para a Ucrânia após ganhar o consenso de todos os seus Estados membros, incluindo a Rússia, a Ucrânia e os EUA

AE, Agência Estado

21 de março de 2014 | 17h14

"Eu saúdo esta decisão como uma contribuição significativa para acalmar a situação na Ucrânia", disse o embaixador suíço na OSCE e presidente do conselho permanente, Thomas Greminger, nesta sexta-feira, acrescentando que a missão de monitoramento aumentará significativamente a presença da OSCE na Ucrânia.

A OSCE tem tentado enviar uma missão de monitoramento para a Ucrânia, mas como a organização toma decisões na base de consenso, o desacordo da Rússia sobre os últimos três projetos de decisões efetivamente bloquearam o envio até agora.

A missão de monitoramento será inicialmente composta por 100 pessoas, com a opção de expandir para até 500 pessoas, e responderá sobre a situação na Ucrânia e sobre apuração dos fatos. O grupo tem um mandato para permanecer na Ucrânia por seis meses, mas isso pode ser renovado mediante a um convite da Ucrânia e outra decisão por consenso pelos Estados membros da OSCE.

Dentro das próximas 24 horas, as equipes avançadas formadas por números significativos serão enviadas, disse Greminger.

A missão terá base em Kiev e o envio inicial é para nove regiões da Ucrânia. Nenhuma das nove áreas estão na Crimeia. O embaixador russo, Andrey Kelin, disse que "a Crimeia é uma parte da Federação Russa". Ele acrescentou que os monitores da OSCE "não têm mandato na Crimeia". Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Ucrâniacrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.