OSCE: Rússia não reconheceu referendos na Ucrânia

O chefe do grupo encarregado de elaborar medidas para acalmar as tensões na Ucrânia disse nesta segunda-feira que acredita que a Rússia está aberta ao diálogo genuíno sobre o futuro da Ucrânia e minimizou as preocupações sobre a reação do Kremlin aos referendos do leste ucraniano no fim de semana. Falando a jornalistas em Bruxelas após reunião com ministros de Relações Exteriores da União Europeia, Didier Burkhalter, presidente em exercício da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), afirmou que há uma janela de tempo curta para tomar medidas concretas a fim de acalmar a crise na Ucrânia. Ele disse que isso deve incluir o trabalho para garantir eleições presidenciais livres e justas em 25 de maio.

AE, Agência Estado

12 Maio 2014 | 11h32

Os seus comentários foram feitos após os chanceleres da UE estenderem as sanções contra a Rússia por causa da situação na Ucrânia. A UE concordou em proibir a emissão de vistos e congelar ativos de 13 pessoas, incluindo funcionários do governo russo e separatistas ucranianos pró-Moscou. Duas empresas com sede na Crimeia também foram adicionadas à lista de sanções. Mais cedo, o Kremlin disse que respeita os referendos de secessão no leste da Ucrânia e espera uma "implementação civilizada" dos resultados.

Burkhalter disse que a resposta russa não significa um reconhecimento do resultado. "Ele (o Kremlin) falou sobre respeito. Não falou sobre reconhecimento. Não há reconhecimento desse resultado", afirmou. O chefe da OSCE, que realizou conversas em Moscou na semana passada, disse que está "convencido" de que Moscou está aberto a discussões genuínas sobre a Ucrânia, dando aos ucranianos pró-Rússia do leste uma voz adequada nas discussões sobre o futuro do país. "Vimos em Moscou que há uma abertura para o diálogo", assinalou. "Estou convencido de que vamos levar a cabo este canal de comunicação."

Repetindo as declarações feitas mais cedo aos ministros de Relações Exteriores da UE e divulgadas pela delegação suíça da OSCE, Burkhalter pediu que medidas imediatas sejam tomadas para implementar o Acordo de Genebra, alcançado no mês passado. Esse acordo prevê o desarmamento dos grupos armados, a desocupação dos edifícios invadidos, uma anistia para a maioria dos separatistas pró-Rússia e etapas para discutir uma ampla reforma constitucional.

Na semana passada, a OSCE produziu um roteiro de passos para a implementação do plano de Genebra. Bulkhalter disse que o roteiro sugere às autoridades da Ucrânia considerar a realização de um plebiscito sobre reformas constitucionais no primeiro ou no segundo turno das eleições presidenciais. Isso pode abrir caminho para a concessão de uma autonomia significativa para as províncias pró-russas. O roteiro também prevê uma série de mesas-redondas públicas envolvendo funcionários do Executivo e legisladores ucranianos e representantes das províncias rebeldes para discutir a reforma constitucional. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Osce Rússia referendos ucrânia leste

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.