Otan afirma ter matado suposto líder da Al-Qaeda no Afeganistão

Organização terrorista sofre segunda baixa entre seus comandantes nesta semana

Efe

29 de setembro de 2010 | 08h47

CABUL - Um suposto líder da rede terrorista Al-Qaeda e vários outros insurgentes morreram em um bombardeio da Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), comandada pela Organização do tratado do Atlântico Norte (Otan), no leste do Afeganistão, segundo comunicado divulgado pela organização nesta quarta-feira, 29.

 

Veja também:

especialEspecial: As franquias da Al-Qaeda

 

O bombardeio aconteceu no sábado, na província de Kunar, e matou Abdala Umar Al-Quraishi, um dirigente que, segundo a Isaf, "coordenava os ataques de um grupo de guerrilheiros árabes" nessa província e na vizinha, a do Nuristão.

 

Vários supostos insurgentes não afegãos, entre eles um especialista em explosivos da Al-Qaeda, Abu Atta al Kuwaiti, também morreram no ataque, que aconteceu durante "uma reunião de comandantes insurgentes".

 

A Isaf está tentando confirmar as identidades dos demais mortos, segundo a nota de imprensa divulgada pela organização. "A morte de Abdala Umar Al-Quraishi é uma vitória significativa para o povo afegão", disse o diretor do centro de operações combinadas da Isaf, Rafael Torres.

 

O líder assassinado, de acordo com a organização, era responsável por facilitar a chegada à região de combatentes estrangeiros, alguns deles árabes. Al-Quraishi se escondia em uma casa no vale de Korengal, região próxima da fronteira com o Paquistão onde a presença insurgente é grande.

 

Al-Quraishi é o segundo líder da organização terrorista morto nesta semana. Na terça-feira, os serviços secretos paquistaneses afirmaram que o chefe da Al-Qaeda para o Afeganistão e Paquistão, identificado como Sheikh Fatah Al-Masri, pode ter sido morto neste fim de semana em um ataque de um avião não tripulado americano.

 

Segundo disse uma fonte dos serviços secretos, o ataque aconteceu na região tribal do Waziristão do norte há três dias, embora as autoridades paquistanesas ainda estejam à espera de uma confirmação definitiva.

Tudo o que sabemos sobre:
Al-QaedaterrorismoAfeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.