Otan alerta para risco de fracasso no Afeganistão

Líder da aliança afirma que fracasso no país poderá levar a ataques no Ocidente

BBC Brasil,

07 de fevereiro de 2008 | 12h09

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jaap de Hoop Scheffer, afirmou nesta quinta-feira, 7, que o fracasso da missão da aliança militar no Afeganistão pode levar a novos ataques terroristas em países ocidentais.   Falando à BBC antes de uma reunião dos ministros da Defesa dos países-membros da organização em Vilnius, Lituânia, Scheffer afirmou que a missão da Otan não está fracassando no Afeganistão, mas lembrou os países membros por que eles não devem esquecer do país.   "Esta é a linha de frente na luta contra o terrorismo, e o que está acontecendo (na região de) Hindu Kush importa, pois se o terrorismo não for enfrentado no Afeganistão, as conseqüências serão sentidas não apenas no Afeganistão, mas também em Londres, Bruxelas e Amsterdã", disse Scheffer.   Durante a reunião Scheffer deve dizer aos ministros dos países-membros da aliança que todos devem colaborar mais para o treinamento e o fornecimento de equipamentos para o Exército afegão.   "A comunidade internacional está ajudando o povo do Afeganistão a construir um país em paz consigo mesmo e com o mundo e, apesar dos desafios diários, estamos progredindo."   "A Otan está exercendo totalmente seu papel e vamos discutir aqui em Vilnius como fortalecer ainda mais nossa operação. Mas o sucesso no Afeganistão significa mais do que apenas operações militares. Requer (...) um rosto afegão e uma compreensão mais ampla. Isto significa divisão de responsabilidades, fazer coisas juntos", afirmou.   Os Estados Unidos e o Reino Unido pediram que outros países-membros da Otan participem mais dos combates no sul do país. Mas não parece provável que os países membros ofereçam enviar mais tropas para o Afeganistão durante a reunião de dois dias na Lituânia. Apesar disso, as autoridades esperam que o encontro possa abrir caminho para que novas contribuições sejam anunciadas na cúpula da Otan em Bucareste, em abril, segundo a correspondente da BBC em Vilnius, Caroline Wyatt.   Futuro   Na quarta-feira, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, disse que o futuro da Otan está em risco devido a diferenças de postura dos países-membros em relação ao Afeganistão.   Falando em Washington, às vésperas da reunião dos ministros da Defesa da organização na Lituânia, Gates disse que mais países da Otan precisam ampliar a participação nas atividades militares no sul do país asiático - ou a disposição dos países que estão hoje envolvidos nos combates vai desaparecer.   "Eu me preocupo muito com a possibilidade de a organização evoluir para uma aliança com dois níveis, na qual você tem aliados que estão dispostos a lutar e morrer pela segurança das pessoas e outros que não", disse o americano. "E eu acho que, se isso continuar, poderá prejudicar o futuro da aliança."     Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
OtanAfeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.