Otan alerta Rússia sobre 'graves consequências' por situação na Ucrânia

Moscou rebate dizendo que Kiev não use a força para retomar o controle de cidades do leste ucraniano

O Estado de S. Paulo,

08 de abril de 2014 | 07h53

PARIS - O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, alertou a Rússia nesta terça-feira, 8, que se o país voltar a violar a soberania territorial no leste da Ucrânia haverá "consequências graves" para a relação de Moscou com a aliança.

"Se a Rússia intervir mais na Ucrânia será um erro histórico", disse Rasmussen em Paris. "Isso teria graves consequências para nossa relação com a Rússia e a isolaria ainda mais internacionalmente."

A polícia ucraniana prendeu na noite de segunda-feira 70 pessoas que ocupavam um prédio do governo regional em uma cidade do leste da Ucrânia, mas manifestantes pró-Rússia se mantiveram firmes em outras duas cidades, no que Kiev afirma ser um plano liderado pela Rússia para desmembrar o país.

O governo da Ucrânia afirma que a invasão de prédios públicos no leste, coração industrial do país, repete os acontecimentos na Crimeia, península no mar Negro que foi anexada por Moscou no mês passado.

Enquanto isso, o Ministério de Relações Exteriores da Rússia adverte Kiev de que qualquer uso de força do exército ucraniano na tentativa de retomar o controle dos edifícios do governo em cidades do leste pode mergulhar o país em uma guerra civil.

Moscou afirmou que tem informações sobre o envio de unidades das tropas do Ministério do Interior e da Guarda Nacional da Ucrânia para as regiões do leste, nas cidades de Donetsk, Kharkiv e Luhansk - territórios onde a etnia russa concentra a maioria da população. "Fazemos um apelo para o fim de qualquer preparativo militar, que estão repletos de riscos de desencadear uma guerra civil", disse o comunicado da chancelaria russa./ REUTERS e DOW JONES

Tudo o que sabemos sobre:
Crise na UcrâniaRússiaDonetsk

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.