Otan amplia campanha na Líbia para enfraquecer Kadafi

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) ampliou sua campanha para enfraquecer o líder líbio Muamar Kadafi, a partir de ataques aéreos contra centros de comando no deserto e de patrulhas marítimas para interceptar navios, disse a aliança militar hoje, em meio aos sinais de descontentamento civil com a falta de combustível nos territórios mantidos pelos simpatizantes de Kadafi.

AE, Agência Estado

21 de maio de 2011 | 17h07

Na cidade costeira de Zawiya, grupos aparentemente indignados com a falta de combustível, tentaram atacar com facas repórteres que estavam em um micro-ônibus em viagem supervisionada pelo governo para a fronteira com a Tunísia. Os jornalistas - um correspondente chinês e dois britânicos - não ficaram feridos. O oficial do governo que acompanhava os jornalistas também foi atacado.

O ataque a jornalistas estrangeiros ocorreu enquanto o veículo estava parado em um congestionamento, por causa das filas de automóveis que esperam dias por dias para abastecer seus veículos. "Está claro para a Otan que o regime de Kadafi está desviando combustível para sua máquina de guerra", disse um oficial que não pode ser identificado.

Kadafi tem resistido à ofensiva da Otan e à pressão internacional para que renuncie ao governo da Líbia. Ao mesmo tempo, a Otan tem sido criticada por estar indo além do mandato do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que prevê que os civis devam ser protegidos, mas não proíbe grandes ataques. O Parlamento Pan Africano, corpo legislativo da União Africana, deve realizar na semana que vem uma reunião de emergência para discutir a ação da Otan, que considera uma "agressão militar".

A mais recente ofensiva da Otan teve como alvo uma instalação próxima à capital ontem e um centro de comando e controle próximo a Sebha, uma fortaleza de Kadafi na região sudoeste do deserto da Líbia, disse a Otan em nota divulgada em Bruxelas. Três lançadores de mísseis terra-ar foram atingidos próximo a cidade de Sirte, sob domínio das forças leais a Kadafi, e três lançadores de foguetes próximos a cidade de Zintan, sob controle dos rebeldes, nas montanhas ao sul de Tripoli. Na sexta-feira, aviões da Otan também bombardearam oito navios de guerra da Líbia em três portos, deixando-os parcialmente naufragados e carbonizados.

Hoje, o grupo de direitos humanos Anistia Internacional disse que centenas de homens desapareceram de Misurata, principal polo dos rebeldes no oeste da Líbia. O grupo disse que as forças leais a Kadafi prenderam os homens após realizarem buscas em suas casas, em mesquitas e nas linhas de frente de combate. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
KadafiLíbiaOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.